Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Crustáceo pode ser exemplo raro de polinizador marinho

É o primeiro caso conhecido de um animal que ajuda algas a se reproduzirem – uma relação que é benéfica para ambas as partes.

Por Luisa Costa
Atualizado em 29 jul 2022, 17h54 - Publicado em 29 jul 2022, 17h52

Em terra firme, as plantas recebem uma mãozinha de polinizadores como pássaros e abelhas. No oceano, elas geralmente se viram sozinhas. Daí a surpresa dos cientistas ao descobrirem um crustáceo de quatro centímetros que pode ajudar algas a se reproduzirem.

É o primeiro caso conhecido dessa interação animal-alga e ocorre entre o crustáceo da espécie Idotea balthica e a alga vermelha Gracilaria gracilis. A reprodução dessa planta é incomum por si só. Organismos que vivem no mar costumam liberar gametas masculinos ou femininos para que se encontrem na água, mas este não é o caso da alga Gracinha – como vamos apelidá-la de agora em diante.

Entre as Gracinhas, as plantas fêmeas não liberam seus gametas na água. Os machos até liberam, mas suas células não têm caudas que facilitem a locomoção – como acontece com os espermatozoides humanos, por exemplo.

Myriam Valero, pesquisadora do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS, França), imaginou que os crustáceos poderiam atuar como polinizadores (e facilitar o encontro entre os gametas) quando percebeu que eles costumavam se reunir aos montes nas Gracinhas.

Continua após a publicidade

Ela se juntou com outros pesquisadores para fazer experimentos em aquários, onde cultivaram algas masculinas e femininas. Metade dos tanques foram povoados com os crustáceos, e a equipe percebeu que estes aumentaram em 20 vezes a fertilização. 

Eles também examinaram os animais sob um microscópio e perceberam que, de fato, tinham minúsculos gametas masculinos por todo seu corpo. Os resultados do estudo foram publicados na revista Science.

A relação seria benéfica para ambas as partes. Vivendo junto às Gracinhas, os crustáceos facilitariam a reprodução da planta, mas também ficariam camuflados junto a elas (possivelmente escapando de predadores) e encontrariam refeições aos montes (algas menores, de outras espécies).

“Essa descoberta sugere que a fertilização mediada por animais pode ter evoluído de forma independente em ambientes terrestres e marinhos, e levanta a possibilidade de seu surgimento no mar antes que as plantas chegassem à costa”, escrevem os pesquisadores.

Continua após a publicidade

Outros cientistas alertaram que o estudo foi realizado em aquários e, portanto, ainda não se sabe se resultados semelhantes seriam observados no meio ambiente.

Durante muito tempo, acreditou-se que os animais só atuavam como polinizadores em terra. Mas, há uma década, cientistas descobriram que pequenos vermes marinhos e crustáceos faziam esse serviço com erva marinha. O novo estudo é o primeiro a identificar a relação com algas.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.