Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Edição genética pode alterar o comportamento de hamsters

Cientistas bloquearam a ação de um neurotransmissor, e esperavam que os bichinhos se tornassem menos sociáveis - mas aconteceu justamente o contrário

Por Leo Caparroz 23 Maio 2022, 18h27

Um grupo de cientistas da Universidade do Estado da Georgia, nos EUA, se propôs a estudar qual a influência dos genes sobre o comportamento. Eles criaram hamsters modificados geneticamente e eliminaram o receptor Avpr1a, que é ativado pela vasopressina – um hormônio que também atua como neurotransmissor e tem relações com comportamento social, questões emocionais e memória.

Como os bichos não tinham o receptor, os cientistas esperavam que eles apresentassem menor atividade social e diminuição na agressividade – o que não aconteceu.

Na verdade, o resultado foi o exato oposto: os hamsters que não tinham o receptor mostraram altos níveis de comunicação social e agressão. Diferenças sexuais relacionadas à agressividade também desapareceram – animais de ambos os sexos exibiram níveis elevados de agressão com indíviduos do mesmo sexo.

“Apesar de sabermos que a vasopressina aumenta comportamentos sociais agindo em algumas regiões do cérebro, é possível que os impactos mais gerais [dela] sejam inibitórios,” disse H. Elliott Albers, um dos autores do estudo.

Essa descoberta inesperada pode ajudar a aumentar o entendimento sobre o funcionamento do cérebro e como os genes interagem com a rede neural. Os hamsters usados têm respostas ao estresse semelhantes à nossa – eles também produzem cortisol – e têm organização social mais semelhante a dos humanos do que os ratos, por exemplo.

Isso indica que as respostas obtidas no estudo talvez se apliquem a humanos. Assim, fornecendo uma base importante para entender como nossos genes interagem com nosso cérebro e controlam nossos comportamentos.

O estudo mostra como a edição genética está bem desenvolvida, em grande parte pela utilização da técnica CRISPR-Cas9 – que foi empregada nessa pesquisa. Os cientistas esperam que seus trabalhos ajudem a desenvolver tratamentos e entender melhor condições neurais, como a ansiedade e a depressão.

“Compreender o papel da vasopressina no comportamento é necessário para ajudar a identificar potenciais tratamentos novos e mais eficazes para diversos distúrbios neuropsiquiátricos, do autismo à depressão,” afirma Alberts.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)