Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estação Espacial Internacional será aposentada em 2030

O laboratório espacial está na terceira década de funcionamento e deixará de orbitar a Terra com um mergulho no “Ponto Nemo”, no Oceano Pacífico. Entenda.

Por Luisa Costa
Atualizado em 3 fev 2022, 18h31 - Publicado em 3 fev 2022, 18h22

Inaugurada em 2000, a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) possibilitou a presença humana no espaço desde então, abrigando astronautas de diversos países. Mas seus dias estão contados: ela continuará em operação até o final de 2030 e, então, deixará de orbitar a Terra, caindo no Oceano Pacífico.

A ISS viaja ao redor do planeta em uma altitude de aproximadamente 400 km – em uma região conhecida como “órbita terrestre baixa”. Ela funciona como observatório, abriga experimentos científicos em microgravidade e pode funcionar como base para manutenção e preparação de missões espaciais.

A estação foi originalmente planejada para operar por 15 anos, mas análises posteriores apontaram que sua vida útil poderia se prolongar. Em dezembro, a Nasa anunciou que as operações da ISS continuariam até o fim da década. Agora, divulgou um relatório que detalha os planos para desativar a estação.

A agência norte-americana espera economizar US$ 1,3 bilhão em 2031 com a aposentadoria da ISS – dinheiro que poderá ser aplicado em outras frentes, como iniciativas de exploração de regiões mais distantes do espaço.

Mas as atividades no laboratório espacial não param por enquanto. A Nasa afirma que a estação está mais movimentada do que nunca, e esta terceira década de funcionamento será a mais produtiva em relação às pesquisas desenvolvidas por lá.

Agora, um dos objetivos é “estabelecer as bases para um futuro comercial na órbita baixa da Terra”. “Esperamos compartilhar as lições que aprendemos e nossa experiência de operação com o setor privado, para ajudá-lo a desenvolver destinos espaciais seguros, confiáveis e econômicos”, disse Phill McAlister, diretor de espaço comercial da Nasa, em comunicado.

O destino da ISS

A Nasa planeja pôr um fim à ISS em janeiro de 2031 com um “mergulho” no Ponto Nemo, situado no Oceano Pacífico. O destino é o lugar mais distante de qualquer porção de terra no planeta, localizado a cerca de 2,6 mil quilômetros de três ilhas remotas – Ilha Dulcie, Moto Nui e Ilha Maher. (Você pode clicar aqui para conferir o quão isolado ele é.)

Continua após a publicidade

“Ponto Nemo” homenageia Capitão Nemo, personagem de Vinte Mil Léguas Submarinas, obra do escritor francês Júlio Verne. Nemo significa “ninguém” em latim, e é um nome apropriado – os seres humanos que mais se aproximam do Ponto são astronautas da ISS. Por conta disso, o local é usado por agências espaciais como um lixão.

Compartilhe essa matéria via:

Quando um satélite fica sem combustível, por exemplo, e chega ao fim de sua vida útil, ele desacelera e deixa de orbitar o planeta. Entrando na atmosfera terrestre, a milhares de quilômetros por hora, ele pode queimar por completo e deixar de existir. Mas esse não é o caso de estruturas maiores, como espaçonaves e estações espaciais.

Os operadores desses objetos planejam sua trajetória de modo que o destino final seja o Ponto Nemo, para que a entrada de destroços na atmosfera não apresente perigo aos terráqueos.

Continua após a publicidade

É exatamente o que acontecerá com a ISS.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.