Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Finalmente descobriram a utilidade do apêndice

Órgão é mais que um mero apêndice: serve de depósito de bactérias boas que nos mantêm saudáveis.

Por Ana Luísa Fernandes Atualizado em 31 out 2016, 19h04 - Publicado em 2 dez 2015, 18h00

O apêndice não tem a melhor das famas. Na verdade, mal nos lembramos dele: só quando inflama, pondo nossa vida em risco. O próprio nome do órgão dá uma medida de sua reputação ruim: “apêndice”, algo que pende, uma coisa pendurada no nosso sistema digestivo, sem função nenhuma. A explicação tradicional é que se trata de uma redundância que a evolução esqueceu dentro de nós.

Pois uma nova pesquisa indica que a má fama é injusta. Microbiólogos australianos e franceses concluíram que o órgão é fundamental no papel de povoar o sistema digestivo com bactérias que colaboram com nosso sistema imunológico, nos defendendo de infecções. 

Os heróis da história são umas células chamadas linfócitos inatos, que existem em grande quantidade no apêndice. Soldadas do sistema imunológico, elas protegem o órgão em caso de ataque bacteriano e cuidam da defesa contra microorganismos invasores. Quando esses linfócitos falham, o apêndice inflama e você tem que sair correndo para o hospital. “O que nós descobrimos é que os linfócitos inatos podem ajudar o apêndice a propagar as bactérias ‘boas’ no microbioma – a comunidade de bactérias no corpo”, disse Gabrielle Belz, do Instituto Walter + Eliza Hall de Pesquisa Médica, de Melbourne. Um microbioma equilibrado é fundamental para a saúde em geral, mas principalmente para  ajudar o corpo a se recuperar de ameaças bacterianas, como intoxicações alimentares. O apêndice seria, então, uma espécie de depósito de bactérias, que são fornecidas para o sistema digestivo inteiro.

Ter um apêndice saudável pode, portanto, poupar algumas pessoas de medidas extremas, como o transplante de fezes. Essa ação, que consiste em retirar fezes de um indivíduo e implantá-las no sistema digestivo de outro, serve para para recuperar a flora intestinal.

Leia mais:
Todo mundo tem uma nuvem pessoal de micróbios
Ser magro nos anos 80 era muito mais fácil
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês