Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Grama começa a crescer no Everest – e a culpa é do aquecimento global

A vegetação está avançando em locais cada vez mais altos – e ameaçando alterar o fluxo de água dos rios que abastecem a Índia.

Por Maria Clara Rossini
24 jan 2020, 16h48

A neve está dando lugar às plantas no Himalaia. Um estudo feito pela Universidade de Exeter, na Inglaterra, mostra o aumento da vegetação ao redor do Monte Everest entre 1993 e 2018. 

As imagens abaixo foram feitas pelos satélites Landsat, da NASA. A área em azul é a superfície do Monte Everest com vegetação em 1993, enquanto a parte vermelha mostra o quanto ela aumentou até 2017.

(Karen Anderson/University of Exeter/Reprodução)

 

Quanto mais alto o local, menos vegetação ele abriga. Isso acontece, obviamente, porque as plantas não conseguem crescer em ambientes com temperaturas extremamente baixas. A pesquisa avaliou a presença de grama e pequenos arbustos nas maiores altitudes que ainda permitem o crescimento de vegetação, entre quatro e seis mil metros acima do nível do mar (lembrando que o Everest tem quase nove mil metros de altura). A partir daí, o espaço é dominado por rochas e neve.

Acontece que esse limite vem aumentando. A vegetação está crescendo em locais cada vez mais altos, que deveriam ser frios demais para abriga-la. A pesquisa descreve que houve um aumento “pequeno, mas significativo” da área coberta pela vegetação.

Segundo os pesquisadores, esse resultado condiz com outros estudos sobre mudanças climáticas. O Himalaia é umas das regiões que mais aquece no planeta. A taxa de derretimento da neve dobrou desde os anos 2000, e cientistas estimam que um terço de todo o gelo da cordilheira desaparecerá ainda neste século.

Continua após a publicidade

O Himalaia é uma grande fonte de água doce. O derretimento gradual das geleiras abastece os dez maiores rios da Ásia, como o Ganges, na Índia. Mais de 1,4 bilhão de pessoas dependem disso fornecimento de água e energia elétrica (por meio de usinas hidrelétricas).

Ainda não se sabe ao certo qual é o impacto direto do crescimento das plantas na região, mas o fornecimento de água pode ser o primeiro afetado. Segundo a pesquisadora Karen Anderson, que liderou o estudo, as plantas podem atrapalhar a trajetória da neve ou fazer com que ela derreta mais rápido que o normal, resultando em alagamentos.

As plantas em excesso podem perpetuar um ciclo de mudança de temperatura na região, seja para mais ou menos frio. Um estudo feito no Tibet demostrou que a transpiração das folhas ajuda a resfriar a região. No entanto, outros estudos apontam que a absorção de luz pela planta também pode aquecer o solo.

Continua após a publicidade

A pesquisadora aponta a importância de direcionar os estudos nessa região para responder a esses e outros dilemas. “Não sabemos tanto sobre essa área. Precisamos direcionar esforços e atenção para o Himalaia por ser uma fonte importante de fornecimento de água”, diz ela ao The Guardian.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.