Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O arquiteto dos placebos impossíveis

Edzard Ernst cria placebos para qualquer coisa – até para pensamento positivo.

Por Bruno Vaiano
Atualizado em 4 jan 2019, 15h12 - Publicado em 4 jan 2019, 15h10

O médico alemão Edzard Ernst dedicou duas décadas de pesquisa na Universidade de Exeter, no Reino Unido, para testar de forma rigorosa as técnicas da medicina alternativa, como homeopatia, acupuntura e cura espiritual. Esse tipo de teste, porém, precisa de um placebo. No caso de um remédio comum, basta dar uma pílula de açúcar a um grupo, uma de verdade para outro e comparar os resultados, certo ? Mas como criar placebos equivalentes para terapias menos palpáveis? O próprio Ernst explica.

SUPER: Como vocês fizeram o placebo de acupuntura?

Ernst: Projetamos uma agulha que parece penetrar a pele, mas enrola dentro de si própria. É como uma faca falsa, de lâmina retrátil, dessas usadas no teatro. Ela aderia à pele, não tinha nenhum efeito fisiológico e era indistinguível de uma agulha real. Só depois de garantir tudo isso é que pudemos fazer um teste clínico, comparando os efeitos. E ele comprovou que acupuntura não funciona. Tem o mesmo efeito do placebo.

Qual é o seu caso de placebo favorito?

Continua após a publicidade

O de cura espiritual. Tivemos a ideia de usar cinco curandeiros de verdade e, depois, recrutar cinco atores muito parecidos com eles. Cada ator aprendeu com seus respectivos curandeiros como simular o procedimento. Aí chamamos pacientes com dor crônica. Eles eram tratados ora pelos curandeiros verdadeiros, ora pelos falsos. Ninguém sabia quem era quem. Ao final do estudo, a única coisa que percebemos, ainda que sutilmente, foi que os atores eram melhores que os curandeiros em reduzir a dor dos pacientes.

Alguém já desconfiou do placebo?

Só em um teste de remédio comum. Os pacientes tomavam tanto o medicamento ativo quanto o placebo por quatro semanas. Depois de avaliar um indivíduo, ele disse: “Você mudou meu remédio”. Eu me impressionei: “Mas como você sabia? O placebo e o remédio são idênticos”. Ele confessou que jogava as pílulas na privada. “O que você me deu antes flutuava. Esse aqui afunda.” Bruno Vaiano

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.