GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O que esses três cientistas estavam fazendo quando tinham a sua idade?

Ainda dá tempo de ser um gênio. Ou será que não?

Dos 20 aos 30: Juventude transviada

Darwin foi um universitário indeciso: tentou a faculdade de Medicina, mas não teve estômago nem paciência para ir até o final. Seu pai, então, o matriculou em Teologia. Na época, era dado como certo que os animais eram criação de Deus, então a melhor maneira de se tornar biólogo era se tornar um religioso de profissão. Quando embarcou no HMS Beagle para a longa expedição científica que o levaria às Galápagos, sua família ficou brava com a atitude de moleque inconsequente – queriam que ele fosse pároco.

Com ajuda da irmã mais velha, Curie deixou a Polônia para cursar Física e Química na França em 1891, quando já tinha 24 anos – por vários anos, passou fome e frio e morou em um porão minúsculo, pagando as mensalidades aos trancos e barrancos. Foi uma ótima aluna na adolescência, mas não pode começar a carreira em seu país natal porque, na época, mulheres eram proibidas nas instituições de ensino superior locais. Foi autodidata e frequentou laboratórios e aulas clandestinamente.

Einstein começou a vida em clima de Drummond: tirou o diploma de Física na Escola Politécnica de Zurique, na Suíça, em 1900, aos 17 anos – mas acabou virando funcionário público em um escritório de patentes em Berna, na Suíça. Foi lá, fazendo uns rabiscos entre um carimbo e outro, que ele mudou a história da ciência: em 1905, sacou a relatividade restrita, o movimento browniano, o efeito fotoelétrico e a lendária equação e =mc². Isso é que é aproveitar o tempo livre.

Dos 30 aos 40: Adultos responsáveis

Darwin não teve um momento eureka! O princípio básico da seleção natural de fato lhe veio a mente logo depois que ele voltou da célebre viagem do HMS Beagle – há quem diga que foi 1838, aos 29 anos, lendo o demógrafo Malthus. Mas esse foi só o começo de um processo interminável de pesquisa e busca de evidências. O inglês tinha consciência de que sua ideia era polêmica, e passou boa parte da vida adulta trancado no escritório, tentando garantir que tudo estava certo antes de divulgá-la.

De 1898 a 1902 – entre os 31 e 35 anos – Curie publicou 32 artigos científicos, vários em parceria com seu marido, Pierre. Descobriu os elementos rádio e polônio, e percebeu que a radiação matava células cancerígenas com mais eficiência que as comuns. Em 1903, com 36, levou o primeiro prêmio Nobel, de Física, compartilhado com o cônjuge e com Henri Becquerel. O segundo, de Química, viria aos 43, só para ela. Apesar de ser a única pessoa da história a conquistar uma dobradinha na academia sueca, Curie continuou penando para conquistar cargos universitários e verbas de pesquisa, e sofria com a xenofobia e machismo dos franceses.

Einstein publicou a teoria da Relatividade Geral, em 1911, com 32 anos (Viu só? Juventude não basta, um pouquinho de experiência e um doutorado também ajudam). Mas só virou lenda pra valer em 1919, quando astrônomos aproveitaram um raro eclipse solar – um dos pontos de observação foi Sobral, no Ceará – para comprovar um desvio na posição das estrelas no céu que havia sido previsto pelas equações do alemão. Quando a observação bateu com as contas, jornais do mundo todo amanheceram com seu bigode na capa. Entrou para a história antes de sair da vida.

 

Dos 40 aos 55: Crise de meia-idade?

Darwin só publicaria A Origem das Espécies em 1859 – seu aniversário de 50 anos. A verdade é que o inglês era cuidadoso com as evidências e queria passar mais alguns anos aperfeiçoando a obra (que considerou incompleta até o fim da vida, apesar das generosas centenas de páginas). Só foi obrigado a apertar o passo porque um naturalista mais jovem e menos paciente que ele, Alfred Russel Wallace, acabou chegando às mesmas conclusões de maneira independente. Por um lado foi bom: de tanto esperar para soltar a bomba, Darwin teve tempo de se tornar uma celebridade nos círculos de elite – garantindo a divulgação de seu trabalho.

Em 1914, com 47 anos, Curie não quis saber de vida fácil: levou 20 caminhões com aparelhos de raio-x para o front da Primeira Guerra Mundial, do lado da França, e se tornou chefe de radiologia da Cruz Vermelha. No campo de batalha, usava ampolas de um gás derivado do rádio para cuidar de infecções. Como em tantas outras ocasiões, seus esforços não foram reconhecidos oficialmente pelo governo francês.

Em 1933, com 48 anos, Einstein desembarcou nos EUA fugindo da perseguição nazista. Nos anos seguintes, continuou fazendo ciência, mas ficou mais famoso pelo pacifismo: militou contra o racismo, pediu proteção para os judeus europeus a vários chefes de estado e denunciou a crise político-ideológica por que passava a Europa – que logo acabaria em guerra.

55 em diante: Previdência anti social

A Descendência do Homem – o livro em que Darwin afirma com todas as letras que nós não passamos de animais, parentes dos chimpanzés – só saiu em 1871, quando ele já era avô com jeitão de Papai Noel e passava os dias trancado dentro de um escritório, lendo cartas e cuidando de plantas. Ele assistiu à polêmica de longe, em um casarão na periferia de Londres, enquanto seus fiéis defensores travaram uma batalha contra acadêmicos católicos e teorias alternativas no coração da metrópole. Depois, ele terminou a vida publicando um livro inteiro dedicado a… minhocas e sua importância para o solo. Nada de vida de celebridade.

Curie não tinha consciência dos perigos da exposição à radiação – passou a vida andando com tubinhos de rádio nos bolsos do jaleco, e acabou morrendo de anemia aplástica em 1934, com só 66 anos. Seus livros e anotações até hoje só podem ser manipulados com grossas roupas de proteção. Antes de morrer, porém, foi reconhecida: viajou o mundo dando palestras, e conseguiu nomear sua irmã diretora de um instituto de pesquisa sobre radioatividade em Varsóvia – um salto e tanto para o país que não permitiu que ela estudasse.

Einstein morreu aos 76 anos arrependido com sua atuação na vida pública: recomendou em uma carta ao presidente Roosevelt que os EUA se dedicassem à fabricação da primeira bomba atômica antes de Hitler – e viveu para assistir ao resultado de seu conselho em Hiroshima e Nagasaki. Na universidade, discordou até o fim das previsões sem pé nem cabeça da física quântica – que hoje se provam mais corretas do que nunca na hora de descrever o mundo microscópico, mas continuam incompatíveis com as ideias do alemão em muitos aspectos.