Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Parte de foguete é capturada por helicóptero enquanto retorna à Terra

Apesar do sucesso inicial, o estágio de propulsão teve de ser despejado no oceano logo em seguida. Experimentos da empresa Rocket Lab tentam reutilizar foguetes para diminuir gastos.

Por Luisa Costa 3 Maio 2022, 16h05

Pegar um foguete caindo no oceano e levá-lo em segurança para a costa. Essa é a proposta da Rocket Lab, empresa aeroespacial norte-americana, e parte dela acaba de ser concluída com sucesso. Ou quase isso.

Depois de enviar um foguete com 34 pequenos satélites para a órbita terrestre, a partir da costa leste da Nova Zelândia, a empresa usou um helicóptero para recapturar parte do veículo (o estágio de propulsão) antes que ele caísse no Oceano Pacífico.

O problema é que, depois da captura inicialmente bem sucedida, os pilotos do helicóptero perceberam que a carga se comportava de forma diferente de testes anteriores – então, eles tiveram de soltar o foguete, que foi recuperado por um navio. Você pode assistir ao acontecimento no vídeo abaixo, da agência de notícias Reuters.

 

Pegar um foguete quando ele cai de volta à Terra, sem que ele se danifique com a água salgada do oceano, não é uma tarefa simples. Mas algumas empresas acham que vale o esforço, porque utilizar propulsores reutilizáveis – e recuperá-los sãos e salvos – pode significar menos gastos e mais lançamentos.

Continua após a publicidade

Por enquanto, só a SpaceX, do bilionário Elon Musk, consegue reutilizar parte de seus foguetes Falcon 9. Para isso, seu estágio de propulsão dispara algumas vezes para desacelerar e pousar em uma plataforma flutuante no oceano.

Mas o foguete da Rocket Lab, chamado Electron, é bem menor – tem cerca de um quarto do tamanho do Falcon 9 – e usa todo seu combustível para ir ao espaço. Então, a empresa investe em um método diferente: a captura no ar.

Paraquedas são acionados, para diminuir o ritmo de queda, e um helicóptero pairando na área encontra o foguete e o recupera com um gancho na ponta de um longo cabo, como na representação artística abaixo.

Vista da captura do booster do foguete ainda no ar, com auxílio de um paraquedas, acima do Oceano Pacífico.
Rocket Lab/Divulgação

“Nós fizemos muitas capturas de helicóptero bem sucedidas com réplicas de estágios [do foguete], realizamos testes de paraquedas e recuperamos com sucesso o primeiro estágio do Electron do oceano [durante missões anteriores]”, afirmou Peter Beck, CEO e fundador da Rocket Lab, antes do último teste. “Agora é hora de juntar tudo pela primeira vez.”

Esta foi a 26ª vez que a empresa lançou seu foguete, e o experimento foi considerado um sucesso parcial. “Certamente nos deu uma confiança extrema para continuar”, disse Beck ao jornal The New York Times.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês