Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Peixes-palhaço podem ser capazes de contar

Novo estudo revela que esses adoráveis seres utilizam a habilidade de contar padrões de listras para proteger seu território de rivais.

Por Caio César Pereira
Atualizado em 5 fev 2024, 18h19 - Publicado em 5 fev 2024, 18h17

Mundialmente famoso pela história de um pai em busca do filho no clássico Procurando Nemo, da Pixar, o peixe-palhaço pode ter apresentado outra habilidade interessante. Além de ser um comediante, o peixinho pode também ser capaz de realizar contas.

De acordo com um novo estudo, publicado no Journal of Experimental Biology, os peixes-palhaço podem ter habilidades rudimentares de matemática ao conseguir contar os padrões de listras de seus companheiros. Com o nome de “Contando Nemo” (rs), a pesquisa mostra que os peixinhos conseguem perceber quando outro peixe possui o mesmo número de linhas brancas que eles, revelando uma inédita capacidade de identificação.

A habilidade de contar não é nova no reino animal. Insetos, anfíbios e outras espécies de peixe conseguem distinguir uma quantidade maior que outra. Essa habilidade normalmente está ligada à busca por alimentos, segurança em grupos ou até acasalamento. Mas, no caso dos peixes-palhaço, essa capacidade pode estar ligada à proteção de território.

Apesar da aparência fofa e inofensiva, e do nome engraçado, os peixes-palhaço estão entre os animais mais agressivos e territorialistas do mundo animal. Eles são tão super protetores, que a mera tentativa de qualquer peixe de se aproximar de sua anêmona, eles atacam e o afugentam para longe – principalmente se forem da mesma espécie.

Continua após a publicidade

Mas, com 28 espécies diferentes de peixes-palhaço, os pesquisadores se perguntaram: como eles conseguiam diferenciar uma da outra? Bem, contando o número de listras.

Em 2022, Kina Hayashi, ecóloga marinha do Instituto de Ciência e Tecnologia de Okinawa e autora da pesquisa, já havia realizado um outro estudo descrevendo o comportamento de proteção do ninho pela identificação do padrão de listras. Na pesquisa de 2022, ela descobriu que os peixes-palhaço costumavam morder e atacar peixes falsos de madeira com padrões iguais aos seus.

 

 

No estudo de agora, ela e os demais pesquisadores envolvidos na pesquisa queriam descobrir se de fato os peixes conseguem contar a quantidade de listras de outro peixe. Para isso, Hayashi e sua equipe realizaram dois experimentos diferentes. 

Continua após a publicidade

Primeiro, eles colocaram 50 indivíduos da espécie peixe-palhaço comum (Amphiprion ocellaris) em aquários individuais. Essa espécie é a mesma do Nemo, o peixe-palhaço clássico com o padrão de três listras brancas.

Depois os pesquisadores inseriram outros peixes-palhaço, separados por uma caixa de vidro transparente dentro do aquário. Mais um do tipo comum e outros três de espécies diferentes. Esses apresentavam padrões de listras variados, indo desde uma única listra, até três.

Os pesquisadores viram então que o comportamento dos peixes “nativos” do tanque era mais agressivo com os indivíduos que possuíam a mesma quantidade de listras que eles.

Continua após a publicidade

Para comprovar isso, o segundo experimento consistia em separar 120 peixes-palhaço comuns em grupos de três, e os colocar em aquários separados. Eles conviveram por uma semana, até que os pesquisadores colocaram um quarto integrante. Um peixe feito de resina, pintado com padrões diferentes de uma a três listras.

Os resultados revelaram que os peixes-palhaço atacavam 10 vezes mais os peixes falsos que possuíam três listras do que os que não tinham nenhuma listra. Os que possuíam três listras também eram atacados pelo menos duas vezes mais do que aqueles que tinham duas listras, e 1,3x mais do que aqueles que possuíam só uma.

Um dos questionamentos envolvidos era se os peixes-palhaço de fato conseguiam contar ou se somente identificavam nos outros indivíduos uma predominância da cor branca. Os pesquisadores afirmam que isso é improvável, já que os peixes responderam de forma agressiva a outros padrões de cores durante o experimento.

Continua após a publicidade

Para os cientistas, os peixes-palhaço não somente sabem contar, como também utilizam essa habilidade na proteção de seu próprio lar. O próximo passo, agora, é identificar se eles conseguem contar algo que vá além das listras, e se essa habilidade vem de nascença ou é aprendida ao longo do tempo.

Compartilhe essa matéria via:

 

 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.