GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

População , nunca fomos tantos

O planeta tem seis bilhões de moradores e, em 50 anos, pode passar dos dez bilhões. Para manter a casa em ordem será preciso ter menos filhos, investir em educação e distribuir melhor os recursos

Wilson F. de Weigl

A cada segundo que você demorar lendo esta reportagem, 4,3 bebês estarão nascendo em algum lugar do planeta. Serão 258 nascimentos por minuto, 15 480 por hora, 371 520 por dia. Daqui a um ano, mais de 130 milhões de pessoas estarão se somando aos atuais 6,1 bilhões, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), todas competindo por espaço, comida e água – e produzindo lixo. Se você acha que isso é motivo de preocupação, acertou.

Alguém que pudesse se lembrar da vida no ano 10 000 a.C. provavelmente sentiria saudade daqueles tempos. A população mundial não passava de seis milhões de pessoas e crescia ridículos 0,008% ao ano. Não havia congestionamentos, filas ou burocracia, muito menos poluição, efeito estufa, animais em extinção e outros distúrbios da natureza provocados, direta ou indiretamente, pela proliferação da espécie humana. Em compensação, quem conseguia viver mais do que 20 anos, média de vida daquela época, podia ser considerado um sortudo. Muito tempo depois, no ano de 1750 da nossa era, alcançar os 27 anos ainda era motivo de comemoração. Hoje, porém, enquanto a população mundial aumenta a uma velocidade de 1,3% por ano – ou novos 77 milhões de pessoas -, a expectativa de vida mundial chega a 65 anos. Ou seja, além de sermos cada vez mais numerosos, conseguimos viver mais tempo, exigindo e consumindo mais recursos do planeta.

O fantasma da escassez de alimentos, que, no século 18, levou o inglês Thomas Malthus a formular seu Princípio da População, defendendo a impossibilidade de a produção mundial acompanhar o crescimento da população, hoje se revela um tema polêmico. Segundo estimativas da Food and Agricultural Organization (FAO), da ONU, a produção global de alimentos nas próximas décadas deverá continuar crescendo mais rápido que o consumo. Apesar disso, mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo continuarão passando fome, não por falta de recursos naturais, mas como conseqüência de fatores econômicos, políticos e sociais, como a má distribuição de renda. “O problema não está relacionado à quantidade de bocas a serem alimentadas, mas à falta de dinheiro para comprar os alimentos”, explica Roberto Luiz do Carmo, pesquisador do Núcleo de Estudos de População (Nepo) da Unicamp.

De acordo com estimativas da ONU, em 2050 a população mundial deve ficar entre 7,9 e 10,9 bilhões, com maior probabilidade de atingir um patamar médio, 9,3 bilhões. Números astronômicos, mas que pouco significam vistos isoladamente. “O fato de existirem sete ou dez bilhões de pessoas não representa por si só um perigo para o planeta”, afirma Heinz Dieter Heidemann, professor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo. “O impacto humano no planeta não é apenas conseqüência direta da quantidade de gente, mas principalmente dos danos ambientais causados para produzir o que as pessoas necessitam.”

 

O que pode ser feito

Estabilizar a população mundial depende basicamente de desencadear, nos próximos anos, uma verdadeira revolução no comportamento reprodutivo dos países em desenvolvimento. Se, nas décadas passadas, países como Índia, China, México e Brasil, entre outros, recorreram a agressivos programas de contenção da natalidade, incluindo esterilização em massa para diminuir o crescimento populacional, hoje existe um consenso de que a mais eficiente medida para esse controle é promover o acesso da população à educação, inclusive sexual.

O Fundo Populacional da ONU, criado em 1969, vem promovendo encontros mundiais para discutir propostas de como levar informações sobre planejamento familiar às populações dos países em desenvolvimento. Durante a Conferência Internacional Sobre População e Desenvolvimento (ICPD), realizada no Cairo em 1994, 180 países avalizaram um plano de ação que garante o direito de os casais decidirem o tamanho da sua prole, sem nenhum tipo de coerção. Nesse programa, os países se comprometem a traçar políticas sociais que, até 2015, proporcionem a homens e mulheres noções de métodos contraceptivos, cuidados pré-natais e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. O cumprimento dessas metas foi avaliado em 1999, em uma sessão especial da Assembléia Geral da ONU, batizada de ICPD+5.

Paradoxalmente, enquanto os países menos desenvolvidos procuram conter o crescimento demográfico, o Primeiro Mundo vive uma situação oposta: o declínio populacional. Em diversos países europeus, a taxa de fertilidade é de apenas 1,5 filho por mulher, enquanto os demógrafos afirmam ser necessária uma taxa de fecundidade de 2,1, no mínimo, para manter a força de trabalho nos mesmos patamares de 1995 sem ter de abrir as portas para os imigrantes – possibilidade que provoca verdadeiro pavor entre os europeus. Só para ter uma idéia, no ritmo atual, até 2050 a Espanha e a Itália sofrerão uma redução populacional de 21% e 25%, respectivamente.

A solução para países como esses é incentivar os casais a procriar. Para isso, a Suécia, que, atualmente, preside a União Européia, sugeriu aos outros membros a implantação de um programa social baseado em seu próprio modelo, que inclui licença-maternidade de 12 meses (ampliada para 13 meses a partir de 2002) e ajuda financeira mensal de 100 dólares para cada filho, até os 18 anos. Graças a essa política, a Suécia será um dos poucos países europeus a ter, em meados do século 21, uma população maior do que a atual.

Outra questão crucial para o futuro da humanidade é avaliar até que ponto o desenvolvimento científico e tecnológico pode criar saídas para alimentar o maior número possível de pessoas e qual o custo ambiental disso tudo. O exemplo mais evidente são as manipulações genéticas para aumentar a produtividade de rebanhos e colheitas, que proprocionam alimentos mais baratos, mas cujo impacto ambiental ainda é desconhecido. “Junto com os cereais transgênicos podem estar sendo criadas mutações, como superpragas resistentes aos pesticidas”, diz Roberto do Carmo, da Unicamp.

O futuro está no mar

Problema de espaço da Terra poderá ser resolvido com a construção de ilhas artificiais, uma revolução arquitetônica que já começou

Enquanto a colonização de outros planetas, como Marte, ainda não saiu da ficção científica, o mar pode ser uma solução viável para driblar o problema da superpopulação. Verdadeiras cidades poderão surgir em ilhas artificiais, capazes de alojar milhares ou mesmo milhões de pessoas. Explorando alguns dos recursos tecnológicos mais modernos – como energia solar e eólica, agricultura hidropônica, dessalinização da água e comunicações por satélite, por exemplo – essas cidades flutuantes poderão oferecer altos padrões de qualidade de vida. O aeroporto de Osaka, no Japão, que está construído sobre uma ilha artificial de 4,4 quilômetros de comprimento por 1,3 quilômetro de largura, é um exemplo bem-sucedido do que a arquitetura sobre a água é capaz. Entre os profissionais que se dedicam a projetos nessa área, o arquiteto francês Jean Philippe Zoppini, por exemplo, assinou diversos trabalhos para países como Mônaco, Síria e Turquia. Um de seus projetos mais ambiciosos é a Torre 2005, projetada para sediar o Centro de

Negócios Internacionais, na costa de Cingapura. Uma ilha de 7 hectares, com 300 metros de diâmetro, vai abrigar um edifício com 40 metros de altura, hotéis de luxo, cassino, cinemas ao ar livre, quadras de tênis e um laboratório de pesquisas oceanográficas.

Os japoneses, que vivem com graves problemas de espaço, têm vários projetos de ilhas artificiais para moradia permanente. Uma delas, batizada Aerópolis, teria uma torre com 2 000 metros de altura (quase seis vezes a Torre Eiffel), com capacidade para receber 140 000 moradores e uma população flutuante de 300 000 trabalhadores. Na Cidade Oceano que aparece na ilustração acima caberia ainda mais gente: um milhão de pessoas! Para garantir a segurança e o conforto de tanta gente, ela seria de aço e sustentada por 10 000 colunas hidráulicas, que acompanhariam o sobe-desce das marés.

 

Para saber mais sobre as possibilidades das “cidades marinhas”, visite o site http://www.2100.org/w_oceancities.html

Daqui pra frente…

CENÁRIO NEGATIVO

 

Onze bilhões de pessoas por volta de 2050, num mundo de superprodução de alimentos, mas péssima distribuição de recursos e fome nos países em desenvolvimento. Dois terços da população em áreas urbanas, potencializando problemas como poluição, acesso à água e destino do lixo.

 

CENÁRIO POSITIVO

9,3 bilhões de pessoas em 2050, numa economia de sustentabilidade que colabora para distribuir a população e regular os aglomerados urbanos. Novos modelos de cidades e acesso democrático à educação, permitindo amenizar o impacto ao meio ambiente.

Máquina de gente

O mundo hoje tem 6,1 bilhões de pessoas, 4,9 bilhões nas regiões menos desenvolvidas e 1,2 bilhão nas regiões mais desenvolvidas

LEGIÃO URBANA

 

Há 50 anos, menos de 1/3 da população mundial vivia em áreas urbanas. Em 2025, chegará a 2/3, especialmente nos países em desenvolvimento

 

O FATOR AIDS

A propagação da Aids vai inibir em 35% o aumento da população mundial neste século. Os mais afetados serão os países da África subsaariana

 

CRESCIMENTO ZERO

A taxa anual de crescimento populacional na Europa, América do Norte, Austrália, Nova Zelândia e Japão poderá chegar a zero – ou menos!

 

QUE PÍLULA?

120 milhões de mulheres em todo o mundo não adotam métodos de contracepção por falta de informação e apoio de suas famílias ou comunidades

 

7,9 bilhões

MENOR VARIAÇÃO

6,8 bilhões nas regiões menos desenvolvidas

1,1 bilhão nas regiões mais desenvolvidas

 

9,3 bilhões

VARIAÇÃO MÉDIA

8,1 bilhões nas regiões menos desenvolvidas

1,2 bilhão nas regiões mais desenvolvidas

 

10,9 bilhões

MAIOR VARIAÇÃO

9,6 bilhões nas regiões menos desenvolvidas

1,3 bilhão nas regiões mais desenvolvidas

 

Uma criança nascida num país industrializado…

…Colabora, durante sua vida, para o aumento dos níveis de desperdício e poluição o mesmo que 30 a 50 crianças de países em desenvolvimento

 

98% do aumento da população…

…Nos próximos 30 anos acontecerá nos países em desenvolvimento

 

O 1/5 mais rico…

…Da população do planeta é responsável por 53% das emissões de CO2, enquanto o 1/5 mais pobre responde por apenas 3%