Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Como se montam as duplas de vôlei de praia ou badminton?

Depende da modalidade. Existem duplas que disputam há 10 anos – e outras que se formaram logo antes das Olimpíadas.

Por Maria Clara Rossini
Atualizado em 9 fev 2024, 12h40 - Publicado em 4 jan 2024, 10h00

Cada caso é um caso: as duplas podem se conhecer em seus clubes, em torneios de base ou por indicação do treinador.

“Ele analisa questões como características físicas, técnicas e demais habilidades com o objetivo de montar uma equipe de alto nível competitivo”, diz Sebástian Pereira, gerente-executivo de alto rendimento do Comitê Olímpico do Brasil (COB). “Além disso, a afinidade pessoal e, principalmente, de objetivos na carreira também é um fator relevante”.

Também existem olheiros das confederações de cada esporte, que vão aos jogos para pescar os atletas mais talentosos e juntá-los.

As vagas olímpicas costumam ser oferecidas às duplas, e não aos atletas individualmente. Por isso, em modalidades como vôlei de praia, nado sincronizado, remo, vela e saltos ornamentais, as duplas competem juntas durante (pelo menos) todo o ciclo olímpico, de quatro anos, para se classificar para os Jogos.

Continua após a publicidade

Além disso, alguns esportes em dupla exigem sincronismo e conhecimento muito profundo do parceiro. As velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze, por exemplo, estão há 10 anos juntas – e já conquistaram dois ouros olímpicos para o Brasil (Rio 2016 e Tóquio 2020).

Mas as duplas também podem mudar ao longo da carreira, e dos campeonatos. Um exemplo: a dupla Laura Pigossi e Luisa Stefani, do tênis, já se conhecia desde os 12 anos de idade, mas elas haviam jogado poucas vezes juntas.

Ambas foram convocadas para representar o Brasil uma semana antes das olimpíadas de Tóquio, graças a uma realocação feita pela federação internacional do esporte. Elas estavam na lista de espera da chave feminina e garantiram uma medalha de bronze inédita para o país. Depois, cada uma seguiu seu rumo, com outras parceiras.

A mudança de parceiro pode partir dos próprios atletas, do treinador, do clube ou da confederação responsável pela modalidade.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Pergunta de @julialucenasp, por meio do Instagram.

Fonte: Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.