Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

O que é a cerca de Chesterton?

Conheça esse conceito da filosofia que pode ajudar você a não tomar decisões burras.

Por Bruno Carbinatto
11 Maio 2024, 14h00

É um conceito da filosofia que pode ser resumido na frase: “não destrua aquilo que você não entende”.

Quem fundou o pensamento foi o escritor, teólogo e filósofo inglês G. K. Chesterton. Ele ilustra o raciocínio dessa forma: se você encontra uma cerca bem no meio de uma estrada, atrapalhando o seu caminho, o que você faz? Se você não vê utilidade para ela e a destrói, você está errado. Alguém mais inteligente tentaria descobrir, primeiro, o porquê daquilo estar ali.

O raciocínio é simples: a cerca não surgiu do nada (“não foi criado por sonâmbulos que o construíram enquanto dormiam”, como diz Chesterton). Ela foi construída por alguém que acreditava que tinha uma utilidade. Até saber qual era, é mais seguro mantê-la ali.

Por exemplo: imagine que a cerca estava ali para manter animais invasores longe – mas que só aparecem no inverno. Você, em pleno verão, não vê utilidade nisso, mas pode se arrepender no futuro se destruí-la agora. Em linhas gerais, então, a teoria diz que as consequências de uma decisão precipitada podem acabar sendo muito piores do que o benefício que tenta se obter com a mudança.

O conceito pode ser usado em várias áreas – para tomada de decisões em negócios ou no empreendedorismo, por exemplo, ou mesmo como uma filosofia de vida que ressalta a importância da prudência ao tomar decisões. Na academia, porém, o conceito é mais comumente evocado em contextos jurídicos e políticos, quando o assunto são regulações e legislações, por exemplo, 

Nesses casos, a “cerca de Chesterton” ressalta que deve-se ter muito cuidado ao mudar leis, protocolos e regras, abolir instituições ou abandonar tradições sem antes ter uma profunda análise sobre isso. Não que ela seja contrária a qualquer tipo de mudança, é claro: a questão é a velocidade e a intensidade delas. E, obviamente, ter certeza que a alteração vai fazer mais bem do que mal.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Pergunta de João Luis Flores, via email

Fontes: (5) livro The thing, why I am a catholic, de G. K. Chesterton, e artigo “Before we tear down the fence: understanding the past and building the future of antitrust law”, de C. S. Wilson and Pallavi Guniganti.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.