Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Por que a “falta” nos esportes tem esse nome? O que faltou?

A palavra é uma tentativa de traduzir o inglês "foul", mas o significado e as raízes etimológicas são diferentes. Entenda.

Por Eduardo Lima
Atualizado em 11 jul 2024, 14h06 - Publicado em 11 jul 2024, 10h00

Faltou correspondência entre o inglês e o português. Como muitos dos termos esportivos no geral, especialmente do futebol, “falta” é uma tradução direta de foul, a palavra de escolha dos britânicos para gritar quando algum jogador cometia uma infração e o jogo precisava ser parado para a cobrança da falta.

Quando o futebol se popularizou no Brasil com ajuda de Charles Miller, que nasceu aqui, mas era filho de um escocês com uma inglesa, foul virou “falta”, um bom correspondente em termos de tradução e de fonética. Mas as palavras têm significados um pouco diferentes, e raízes etimológicas distintas.

A falta, em português, pode significar desde uma infração e uma transgressão de uma lei maior até não comparecer em algum lugar, ou uma privação geral (que é o significado mais comum). A expressão vem do latim fallĭta, oriundo de fallo, o verbo latino para enganar.

foul, em inglês, tem o significado principal de algo extremamente desprazeroso, desagradável e obsceno. As palavras se encontram em seus possíveis significados morais, mas suas origens são bem diferentes. No inglês medieval, falado na Inglaterra entre 500 e 1100 d.C., fūl era usada para se referir a algo impuro e corrupto.

Foul compartilha sua raiz indo-europeia com a palavra pus, no latim, que vem de puter, estragado, e mantém seu significado no português até hoje, nomeando a secreção amarelada produzida por infecções bacterianas em feridas.

As diferenças de tradução entre palavras podem ser difíceis de gerenciar quando você joga um esporte global. A FIFA percebeu isso na Copa do Mundo de 1966, quando um jogo entre a Inglaterra e a Argentina com um árbitro alemão precisou de explicações posteriores para entender a punição pelas faltas.

Continua após a publicidade

Ken Aston, um árbitro britânico, teve a ideia de começar a usar um sistema de linguagem neutra a partir da Copa do Mundo de 1970, no México. Foi ali, por causa de dificuldades de tradução, que nasceram os cartões amarelos e vermelhos.

Compartilhe essa matéria via:

Fontes: FIFA, Dicionário Priberam de Português, Dicionário Merriam-Webster de Inglês e Dicionário de Etimologia Online e Celso Unzelte, jornalista esportivo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.