Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Por que ficamos com os cabelos brancos?

Até Marília Mendonça compartilhou uma foto de seu primeiro fiozinho branco. Mas por que ele está lá?

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
27 dez 2019, 15h09

Porque os melanócitos – células que ficam nos folículos capilares e produzem melanina – se desgastam e deixam de fabricar o pigmento com o passar do tempo. A cada novo ciclo capilar, que dura entre 4 e 5 anos, a melanina tem que ser impregnada na haste do cabelo para poder haver a pigmentação normal, deixando o telhado castanho, ruivo, louro, preto.

Para homens brancos, isso costuma acontecer por volta dos 35 anos. Homens negros normalmente ficam grisalhos mais tarde, lá pelos 45. Pessoas com síndrome de Down, por exemplo, tendem a começar a contar cabelos brancos mais cedo. Deficiências nutricionais (de ferro, cobre, vitamina B12), estresse, problemas na tireoide, exposição à poluição ou tabagismo também podem acelerar o processo.

Não se sabe por que, exatamente, essas células encerram as atividades. Mas o fato é que, mesmo que o cabelo escuro tenha sido importante para a sobrevivência na Pré-História, a seleção natural não conseguiria criar humanos com cabelo eternamente pigmentado.

Se uma característica deletéria só se manifesta após o fim da idade reprodutiva, ela não é eliminada da população, pois não impede seu possuidor de fazer bebês (e eles, obviamente, herdarão esse traço, que se manifesta apenas na velhice). Lembre-se: os processos darwinianos são puramente mecânicos.

Continua após a publicidade

Esse é, em última instância, o motivo de todo envelhecimento. E também a razão de doenças como Huntington permanecerem na população. Como ela se manifesta só após os 30 ou 40 anos, os possuidores têm filhos antes de saber que estão em risco. Você pode entender melhor esse processo nesta matéria.

Pergunta de @pedroivoantunes, via Instagram.

Fontes: Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA, Luiz Gameiro, do departamento de Dermatologia Geriátrica da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.