Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Uma mulher pode carregar dois bebês de pais diferentes ao mesmo tempo?

É raro, mas acontece. O nome disso é superfecundação heteropaternal.

Por Caio César Pereira, Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 18 jul 2024, 12h11 - Publicado em 28 dez 2023, 10h00

Sim. O nome desse evento raro é superfecundação heteropaternal. Para conseguir, uma mulher “tem de liberar, em um mesmo ciclo, dois óvulos – e então, ter relações sexuais com dois homens diferentes dentro de até 24h”, explica Juliana Meola, professora da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto (FMRP).

Essa coincidência entre ovulação dupla e uma transa dupla desprotegida é rara: em setembro de 2022, um caso de gêmeos heteropaternais registrado em Goiás foi apenas o vigésimo da história da literatura médica mundial. O caso, inclusive, inspirou a novela brasileira ‘Pedaço de Mim’, em que Liana (Juliana Paes) passa por essa situação. A trama pode ser acompanhada na Netflix.

Um estudo analisou uma base de dados com 39 mil resultados de testes de paternidade e descobriu que apenas 2,4% deles envolviam episódios de superfecundação heteroparental gerando gêmeos dizigóticos. Considere que só uma parcela pequena da população faz esses testes e é fácil concluir que se trata um evento raríssimo.

É evidente, porém, que esse fenômeno é subnotificado. Só é possível comprová-lo com um teste de DNA – e ainda que uma mãe esteja achando seus gêmeos diferentes demais, a maior parte das pessoas sequer imagina que essa façanha reprodutiva seja possível.

Continua após a publicidade

Além disso, estudos como citado acima têm uma limitação demográfica, já que a prevalência de gêmeos heteropaternais pode mudar conforme a população. Mulheres de etnias diferentes terão genes ligeiramente diferentes (o que muda as chances de uma ovulação dupla) e estão mergulhadas em culturas diferentes (o que muda a frequência com que se faz sexo com parceiros distintos).

Assim, as conclusões de um país não podem ser generalizadas para outros. Estudos distintos já chegaram a números tão díspares quanto 1 em cada 400 pares de gêmeos vs. 1 em cada 13 mil pares de gêmeos. Em animais com ninhadas maiores, porém, a fecundação heteroparental é muito comum.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.