Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bebês sem fraldas

Por Redação Planeta Sustentável Atualizado em 21 dez 2016, 10h24 - Publicado em 6 ago 2008, 20h34

Imagina se todos os dias, em vez de você ir ao banheiro, tivesse que fazer suas necessidades aí mesmo onde você está? Ou, então, quando estivesse no meio do ônibus? Ou, ainda, no meio de um churrasco familiar? Horrível, não? Então, imagine como um bebê pode se sentir, considerando as assaduras que isso pode provocar.

É para libertar os bebês que surge – e cresce – um estilo de criação chamado Elimination Communication (comunicação da eliminação, em tradução livre), que nada mais é do que libertar os pimpolhos das famigeradas fraldas. Sim, totalmente livres delas! E quanto mais cedo melhor.

A Ong DiaperFreeBaby, sediada nos EUA, é uma que suporta e propaga esse estilo de criação. A idéia é ensinar, por meio de sons e gestos, logo nos primeiros meses de vida da criança, como se comunicar quando a necessidade apertar. Para eles, os bebês já avisam quando querem fazer xixi ou cocô: cara feia, irritação, expressão de força, enfim, a lista pode ser bem grande. Os pais, então, só ensinariam um meio mais simples para que eles se expressem quando forem eliminar-o-que-deve-ser-eliminado.

Todas as vezes que os bebês são levados ao penico, os pais fazem sinais ou sons para identificar o ato com a comunicação. Dessa forma, “psss” seria para xixi e “humm hummm” para cocô, por exemplo. Daí, a criança saberia exatamente o que e quando deveria ser feito.

Alguns depoimentos de pais da Ong até surpreendem. Rachel, uma mãe que iniciou o EC desde o nascimento de Simon, avisa que quando seu filho estava com três meses e meio, ele já imitava o som que seus pais faziam quando ele urinava, avisando que ele precisava ir imediatamente para o penico.

Para o meio ambiente, a EC deve ser ótima, já que não incentiva o uso de fraldas descartáveis e muito menos as de pano – que também fazem o seu mal, pois são industrializadas, clareadas e limpas com químicos. Os defensores dessa educação defendem que isso é mais natural do que se pensa. Um bebê tem pleno controle de alguns de seus músculos, como viu Laurie Boucke, autora de um livro sobre o tema, em algumas famílias da Índia que adotam a prática como algo normal em sua cultura.

Claro que não se precisa ser tão radical e já descartar completamente as fraldas de suas vidas. Se pode aplicar a EC em etapas ou horários, sem nenhum problema. O mais importante é iniciar um canal de comunicação com o pequeno e estimulá-lo a fazer o mesmo. Mas, de qualquer forma, a DiaperFreeBaby promove desafios aos pais para estimular ainda mais a EC, como escolher um dia para que o seu bebê passe inteiramente sem fraldas.

imagem tirada por Arturo J. Paniaga

Continua após a publicidade
Publicidade
Bebês sem fraldas
Imagina se todos os dias, em vez de você ir ao banheiro, tivesse que fazer suas necessidades aí mesmo onde você está? Ou, então, quando estivesse no meio do ônibus? Ou, ainda, no meio de um churrasco familiar? Horrível, não? Então, imagine como um bebê pode se sentir, considerando as assaduras que isso pode provocar. […]

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade