Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

E se… fôssemos imortais?

O tempo seria infinito - e o tédio também.

Por Mariana Iwakura Atualizado em 30 ago 2017, 15h17 - Publicado em 9 dez 2004, 22h00

Você poderia fazer tudo o que deseja mas acha que não vai ter tempo para realizar. Afinal, o tempo seria infinito. Você poderia ser advogado, depois pescador, astronauta e estilista. Poderia namorar muitas mulheres (ou homens. Ou os dois) e viajar com eles pelo mundo. Além disso, você não viveria a angústia de saber que todos que ama morrerão um dia.

De fato, em um primeiro momento, a perspectiva de ser imortal parece muito boa. Acontece que a morte está muito mais presente na nossa vida do que imaginamos. “Nós nos organizamos para a morte. A partir dos 4 anos, a criança já sabe que vai morrer um dia. Sabemos que vamos perder pessoas e situações e que devemos nos preparar para isso”, diz Maria Júlia Kovács, professora de psicologia da morte da USP.

A morte está ligada à religião, à criatividade humana e à reprodução da espécie. “A vida seria um presente infinito, sem noção de futuro”, diz o físico Marcelo Gleiser, autor do livro O Fim da Terra e do Céu: o Apocalipse na Ciência e na Religião. Para ele, é o tempo finito que nos dá a necessidade de buscar algo que vá além do nosso tempo. A imortalidade, portanto, levaria todos à estagnação intelectual e cultural.

Se você acha que viver para sempre é assunto só para a imaginação, saiba que a ciência anda se preocupando com isso. Alguns pesquisadores vêem a velhice como um processo de degradação celular, a senescência, uma doença que poderia ser curada. Avanços na biotecnologia também podem levar à preservação do corpo por meio da clonagem. É possível que, no futuro, tenhamos uma espécie de “corpo reserva”, pelo qual trocaríamos nosso corpo jà envelhecido. Nossa consciência seria transferida como um conjunto de informações digitais – como se transferem arquivos em CD hoje em dia. Num mundo sem envelhecimento ou doenças, a única maneira de morrer seria por traumas – acidentes de carro ou tiros, por exemplo. Continua achando que seria bom? Acompanhe algumas das conseqüências que viriam por aí.

Infinitos fragmentos

A vida seria uma sucessão interminável de eventos pouco emocionantes

Arquivo de dados

“O cérebro, como um computador, tem memória finita. Depois de mais ou menos 70 anos, ele começa a ficar bem menos eficiente”, diz o neurocientista brasileiro Sidarta Ribeiro, da Duke University (EUA). Assim, teríamos que usar fotografias ou vídeos para arquivar todas as nossas lembranças

Descanso merecido

O trabalho seria para sempre. Se parássemos, não haveria sistema de previdência que arcasse com tantos aposentados. O mais provável é que tirássemos férias longas entre uma carreira e outra

Continua após a publicidade

Cabe mais um?

Para evitar a superpopulação, teríamos que controlar os nascimentos. Alguém teria que desistir da vida para outro nascer. Isso não seria um problema, já que a vontade de ter filhos está ligada à necessidade de perpetuar a espécie. Imortais, é bem possível que o instinto maternal fosse por água abaixo

Homens sem fé

“Uma das bases da religião é a relação com a morte”, diz o psiquiatra Paulo Dalgalarrondo, da Unicamp. “Sem ela, os homens se afastariam das religiões”. A moral religiosa seria substituída por leis humanas, e as igrejas virariam museus, com valor apenas histórico

Cultura estagnada

Não haveria a ânsia existencial de criar. “O motor criativo está ligado à consciência de morte”, diz o físico Marcelo Gleiser. Além disso, as mesmas pessoas, com as mesmas idéias, estariam para sempre na terra. Se chegássemos à imortalidade em 1989, por exemplo, estaríamos dançando lambada até hoje

Câmara de suicídio

Sem memória, filhos, religião ou cultura, o tédio tomaria conta da existência. “Muitas pessoas apelariam para o suicídio, quando batesse o cansaço de viver”, afirma Marcelo Gleiser

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)