Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Fazer sexo sem tesão aumenta risco cardíaco e depressão

Ao contrário do que diz a sabedoria popular, falta de sexo não aumenta o estresse. Já transar só para agradar o outro faz mal à saúde

Por Ana Carolina Leonardi Atualizado em 28 mar 2018, 16h51 - Publicado em 3 jun 2016, 19h00

Fazia tempo que não se falava tanto em consentimento sexual no Brasil, ou seja: sobre a necessidade do sexo ser uma decisão consciente de dois (ou mais) adultos. Só que mesmo nessas situações, tem muita gente transando sem vontade — e um novo estudo mostra que isso faz mal para o corpo e para a mente.

Na pesquisa, 64 pessoas em relacionamentos sérios revelaram quantas vezes tinham feito sexo no último mês. Depois, disseram com que frequência têm vontade de transar em 30 dias — as respostas variavam de nenhuma até várias vezes por dia.

Os pesquisadores mediram então a quantidade de cortisol na saliva dos participantes. O hormônio é produzido quando passamos por estresse físico ou psicológico — e atrapalha o sistema imunológico, prejudica o coração e pode levar à depressão.

Os autores escolheram o cortisol de propósito. Eles queriam um indicador cartesiano — se simplesmente perguntassem aos participantes se estavam estressados, as respostas provavelmente não seriam tão precisas.

Quando olharam os resultados, os pesquisadores perceberam que as pessoas que transavam mais do que realmente queriam tinham níveis mais altos de estresse que os outros. Eles chamam isso de “compliance sexual”: quando você aceita, conscientemente, fazer sexo, geralmente porque que agradar o parceiro e manter a qualidade da relação. Um termo burocrático para “transa burocrática”.

Outra descoberta surpreendeu os cientistas: quem fazia menos sexo do que gostaria não tinha níveis elevados de estresse. A quantidade de cortisol era equivalente a de quem tinha desejo e atividade equilibrados. Biologicamente, então, a eventual falta de sexo não é tão determinante quanto parece para deixar você mais estressado.

A pesquisa, realizada pela Southwestern University, no Texas, foi a primeira a estudar as consequências físicas de aceitar fazer sexo sem ter vontade. Estudos anteriores se preocupavam em entender como a diferença entre o tesão e atividade sexual afetava os relacionamentos. O problema é que eles não separavam quem fazia sexo demais de quem fazia de menos.

Tanto a ciência quanto a sociedade preferiram ignorar que o sexo consentido é muitas vezes visto como uma tarefa — segundo outra pesquisa de 2010,  até um quinto das relações acontece assim. É uma situação diferente do estupro dentro do relacionamento — que é um tipo de abuso negligenciado e até legalizado em países como a Índia. Sexo burocrático não é estupro, mas não é saudável. A pesquisa mostra que o consentimento, mesmo que indispensável, é só o primeiro passo para uma sexualidade realmente plena.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês