Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O que Tédio, de “Divertida Mente 2”, tem a nos ensinar

Ao suavizar os altos e baixos emocionais de Riley, Tédio oferece uma proteção blasé contra a intensidade sensorial e o caos emocional da adolescência.

Por Tina Kendall
7 jul 2024, 14h00

Tina Kendall é professora de estudos de Cinema, Mídia e Comunicação na Anglia Ruskin University

Os filmes infantis de animação há muito tempo se esforçam para ensinar os jovens espectadores a gerenciar suas emoções. O filme Divertida Mente (2015), da Disney Pixar, tornou literal essa tarefa de regulação emocional.

Alegria, tristeza, raiva, medo e nojo, as cinco emoções básicas da protagonista Riley, tornaram-se personagens em sua “sala de controle” interna. Juntas, elas guiaram suas ações à medida que ela se desenvolvia, passando de bebê a pré-adolescente. Agora, na próxima edição, “Divertida Mente 2”, Riley faz 13 anos. Isso significa o surgimento de emoções mais “sofisticadas”, incluindo ansiedade, vergonha, inveja e tédio.

Sou uma pesquisadora que estudou como o tédio molda o conteúdo e o uso da mídia. Por isso, fiquei particularmente intrigada com a personagem Tédio (Adèle Exarchopoulos), que incorpora este estado de apatia desmotivada que chamamos de tédio.

Continua após a publicidade

No início do filme, Ansiedade (Maya Hawke) explica às emoções mais velhas que “todos nós temos um trabalho a fazer”, acrescentando que o dela é “planejar o futuro”. Então, qual é a função de Tédio no filme, e como isso se relaciona com o papel do tédio em nossa vida cotidiana?

Desde sua criação no início do século XIX, o conceito de “tédio” tem sido um tópico de debate e discordância. Filósofos e psicólogos observaram que o tédio pode ter um impacto tanto positivo quanto negativo, sugerindo que ele desempenha um papel particularmente importante no desenvolvimento da infância e da adolescência.

Em sua influente discussão sobre o tédio, o psicanalista Adam Phillips descreve o tédio como:

Continua após a publicidade

Aquele estado de animação suspensa em que as coisas começam e nada começa, o clima de inquietação difusa que contém o desejo mais absurdo e paradoxal, o desejo de um desejo.

Ou, como dizem os psicólogos James Danckert e John Eastwood em seu estudo recente, o estado de inércia do tédio é, acima de tudo, “um chamado à ação, um sinal para se tornar mais engajado” – ou para tentar algo diferente.

Embora esteja associado ao desinteresse e à apatia e possa ser um sinal de que precisamos mudar de marcha, minha pesquisa mostra como o tédio tem sido cada vez mais visado pelas grandes empresas de tecnologia e mídia. Elas trabalharam arduamente para consolidar o vínculo entre sentir-se entediado e pegar nossos dispositivos digitais. Nossos telefones são frequentemente promovidos como ferramentas para combater o tédio, quando e onde quer que ele se instale.

Continua após a publicidade

O tédio, e o medo dele, nos motiva a rolar a tela sem pensar. Mas pesquisas demonstraram que quanto mais usamos os smartphones para nos distrair do tédio, mais entediados corremos o risco de ficar. Esse é um problema específico para os adolescentes. Nas últimas décadas, a pesquisa mostrou uma correlação entre o aumento do tédio e as dificuldades de saúde mental.

Tédio tem sotaque francês em “Divertida Mente 2”.

“Divertida Mente 2” não lida exatamente com esses aspectos potencialmente negativos do tédio. Em vez disso, ele se concentra na função positiva de desenvolvimento que o tédio desempenha para ajudar Riley a administrar a intensidade da vida adolescente. Durante todo o filme, a personagem Tédio, com sotaque francês, fica deitada em um sofá, vestindo um moletom azul escuro, olhando desapaixonadamente para a tela do smartphone.

Enquanto os primeiros esboços do projeto conceitual mostravam Tédio em vermelho-rosado, a versão final a reimaginou em tons de azul escuro e roxo profundo. Como explica o designer de produção do filme: “No final das contas, optamos por essa tonalidade azul-acinzentada escura e dessaturada – se eu tivesse que dar um nome a ela, seria ‘blá’.”

Continua após a publicidade

A aparência, os movimentos e os tiques verbais de Tédio exalam o cansaço mental, o torpor físico e a falta de interesse do sentimento de tédio.

Durante a maior parte do filme, ela fica em segundo plano em relação à Ansiedade, a principal antagonista do filme. Enquanto a Ansiedade incendeia a tela com sua energia nervosa frenética, Tédio é uma espreitadora que exala o que os franceses chamam de je m’en foutisme, a arte nitidamente adolescente de não dar a mínima. É importante ressaltar que o smartphone de Tédio funciona como um controle remoto para o console de controle, permitindo que ela module as emoções de Riley sem nunca se levantar do sofá.

Essa facilidade é um aspecto central do papel de Tédio no filme. Em grande parte, ela fica em segundo plano em relação às outras emoções, respondendo apenas minimamente ao drama com suspiros dramáticos, bocejos, revirando os olhos ou por meio de piadas sarcásticas e críticas. Essa sensação de frieza desinteressada é como o filme dá sentido ao papel do tédio na vida emocional de Riley, à medida que ela passa de criança a adolescente.

Continua após a publicidade
O tédio é introduzido em “Divertida Mente 2”.

Em momentos importantes do filme, no entanto, Tédio assume o controle do console, influenciando a experiência emocional de Riley ao diminuir sua intensidade – por exemplo, quando Riley tenta impressionar os amigos mais velhos que fez no acampamento de verão. Quando eles dizem o nome da banda que ela foi ver no verão passado, fazendo com que a Ansiedade e o Embaraço apareçam, Tédio se levanta do sofá e anuncia: “Eu estava esperando por este momento”.

Tédio contrabalança o medo de Riley de como os outros a veem com uma grande dose de sarcasmo, que age como um escudo protetor. Em outros momentos importantes, a função de Tédio é manter as outras emoções sob controle, ajudando a suavizar as intensidades emocionais da vida adolescente.

A maneira como isso ajuda a moderar a experiência emocional de Riley remete à noção do sociólogo Georg Simmel de uma “atitude blasé”. Em seu ensaio “The Metropolis and Mental Life” (1903), Simmel descreveu a atitude blasé como uma consequência das “estimulações dos nervos que mudam rapidamente e que são reunidas em todos os seus contrastes” na metrópole moderna.

Definida por um senso de indiferença apática, Simmel argumentou que a atitude blasé proporcionava uma forma de proteção contra a intensidade sensorial e a superestimulação nervosa que surgiam com a vida na cidade.

Sem dúvida, é essa versão de tédio que predomina no personagem de Tédio. Ao suavizar os altos e baixos emocionais de Riley, Tédio oferece sua própria forma inimitável de proteção contra a superestimulação que vem com a adolescência.The Conversation

Este artigo foi republicado do The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.