GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

game portátil: Minha vida com cachorro

Pedro Burgos

Lembra-se do Tamagochi? O bichinho virtual que azucrinava o dono quando tinha fome voltou em versão ultravitaminada. É o jogo Nintendogs, do portátil Nintendo DS, aclamado pela crítica especializada como um dos melhores lançamentos do ano. O desafio é criar um filhote de cachorro, desde a alimentação até os treinos. A graça fica por conta da tecnologia: como a tela é sensível ao toque e tem microfone embutido, dá para interagir com o bicho e até acariciar a barriga dele. Para testar o game, o repórter da SUPER decidiu criar um cão. Escolheu um pug à imagem e semelhança de Dafne, sua cadela. Acompanhe seu diário.

1º Dia:

Batizo o cachorro virtual de Fly. O manual do jogo ensina que tenho de repetir o nome dele perto do microfone algumas vezes por dia até ele começar a entender. Rapidinho Fly começa a me atender e vir brincar quando o chamo. Saímos para o primeiro passeio. Como a Dafne, o pug virtual não agüenta andar muito.

2º Dia:

Ensino os primeiros truques. Com a caneta do Nintnedo, “empurro” a cabeça de Fly até ele sentar. Depois, falo ao microfone: “deita”. Ele late e parece ter entendido. Em casa e na rua, sinto que as pessoas acham estranho me ver sorrindo e conversando com a tela de um videogame. Começo a jogar apenas a portas fechadas.

4º Dia:

Fly passeia todos os dias e já está com um bom condicionamento físico. Decido levá-lo para sua primeira competição de pegar o disco (frisbee). Um fracasso. Decido ir com ele para o parque da cidade virtual treinar mais. Lá, ele se diverte quando eu sopro no videogame e saem bolhas de sabão na tela.

10º Dia:

Fico dois dias fora de casa (de verdade) e esqueço de alimentar o cachorro. Volto e ele está faminto e sujo. Na competição de obediência a que o levo no mesmo dia, Fly faz feio e não repete os comandos que havia aprendido. Depois, faz cocô no lugar errado. Está de mal comigo. Fica a maior parte do tempo sentado meio de lado, como a Dafne.

13º Dia:

Recuperado, com atenção redobrada, o cachorro começa a se sair bem nas competições – fonte de dinheiro virtual. Uso os primeiros trocados ganhos para comprar móveis novos para a casa. Passeando, descubro que há “presentes” valiosos nas ruas da cidade. Acho até uma peruca estilo black power para Fly usar.

18º Dia:

Percebo que Fly fica feliz em brincar com outros cachorros. Decido, então, ir ao canil da cidade para comprar um companheiro. Lá encontro filhotes de 20 raças brincando e tentando atrair minha atenção. Fico com um beagle que, óbvio, batizo de Snoopy. Os dois se dão bem.

24º Dia:

Faço um teste sádico: fico 4 dias sem mexer no videogame. Quando vou ligá-lo de novo, vejo que Fly fugiu de casa. Fico em dúvida se foi por ciúmes de Snoopy ou então um castigo para o dono relapso. O manual diz que às vezes isso acontece, mas ele deve voltar. Estou esperando.