GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O Atlas do Cinema

Na onda do tema da redação do Enem deste ano, uma série de infográficos sobre a sétima arte pelo mundo – do número de salas à representatividade nas telas.

A Islândia é o país mais cinéfilo do mundo. Já a Suíça possui o ingresso mais caro de todos. E se o assunto é produção, Hollywood não está com nada: Índia e Nigéria, com suas Bollywood e Nollywood, superam com folga o número de produções dos EUA.

Conhecer o universo da sétima arte vai além dos filmes e das premiações. Por trás dos créditos, há uma indústria bilionária, com milhares de pessoas envolvidas e peculiaridades em cada canto da Terra. Abaixo, a SUPER reuniu uma série de dados levantados por organizações como a Unesco e a Ancine (Agência Nacional do Cinema) para mostrar como é o cinema mundo afora.

MUNDO

NÚMERO DE SALAS DE CINEMA

Legenda: 1 – EUA, 2 – Brasil, 3 – Reino Unido, 4 – França, 5 – Itália, 6 – Nigéria, 7 – Rússia, 8 – Índia, 9 – China, 10 – Japão.

Legenda: 1 – EUA, 2 – Brasil, 3 – Reino Unido, 4 – França, 5 – Itália, 6 – Nigéria, 7 – Rússia, 8 – Índia, 9 – China, 10 – Japão. (Juliana Caro/Superinteressante)

EUA: 5.628 cinemas.

França: 2.033 cinemas

Itália: 1.152 cinemas

Rússia: 1.101 cinemas.

Reino Unido: 751 cinemas.

 

Os maiores produtores de filmes*

Índia: 1907

Nigéria: 997

EUA: 791

China: 686

Japão: 581

França: 300

Brasil (15º lugar): 129

*dados de 2015.

NÚMERO DE CINEMAS A CADA UM MILHÃO DE HABITANTES

Montenegro, na Europa, possui o maior número de cinemas per capita. O Sudão do Sul, país mais jovem do mundo, o menor:

 (Juliana Caro/Superinteressante)

PREÇO MÉDIO DO INGRESSO

A Suíça possui o ingresso mais caro. A Índia, o mais barato. Em 2013, o Senegal teve o ingresso mais baixo da história: US$0,56.

 (Juliana Caro/Superinteressante)

Bizarrices de bilheteria

Atrasados

  • Em 2015, Pequenos Espiões 2: A Ilha dos Sonhos Perdidos foi o oitavo filme mais visto no Líbano. Valer dizer: o longa é de 2002.

Sertanejo 1 X 0 Nerds

  • Em 2005, o filme mais visto no Brasil foi 2 Filhos de Francisco, superando Star Wars III: A Vingança dos Sith Harry Potter e o Cálice de Fogo.

Orgulho nacional

  • Em 2014, o longa The Birds of Cyprus foi o mais visto no Chipre. A produção superou nove blockbusters americanos.

Aposta única

  • Em 2015, as Ilhas Marshall lançaram uma única produção: Jilel: The Calling of the Shell (Jilel: O Chamado da Concha, em tradução livre). O orçamento foi de US$ 5.000.

 

FREQUÊNCIA DE IDAS AO CINEMA

A Islândia, que produziu 13 filmes em 2015, é o país que mais vai o cinema: 4,84 vezes ao ano por habitante (a média chegou a 5,86 em 2009). À título de comparação, a taxa de países como Coreia do Sul e Austrália é de 4,66 e 4,21, respectivamente. Nos EUA, a média é de 4,13.

O Brasil está bem atrás nesse quesito – até o Kuwait (1,31) vai mais ao cinema que a gente. Porém, o país dobrou sua taxa em dez anos. Veja:

 (Juliana Caro/Superinteressante)

BRASIL

OS DEZ ESTADOS COM MAIS SALAS DE CINEMA

 (Juliana Caro/Superinteressante)

O Brasil possui 3.316 salas de cinema. São Paulo concentra aproximadamente um terço delas: 1.043. O Acre é o estado que possui menos salas: oito.

A maior sala de cinema fica em Volta Redonda (RJ). O Cine 9 de Abril foi inaugurado em 1959 e possui 1.505 poltronas em um espaço de 1.650 metros quadrados.

Mas ela não é a mais antiga – esse posto pertence ao Cinema Olympia, de Belém (PA). Ele foi inaugurado em 1912 e é considerado Patrimônio Histórico e Cultural da cidade.

 

CINEMAS QUE MAIS ARRECADAM NO BRASIL

 (Juliana Caro/Superinteressante)

RAIO X DO CINEMA BRASILEIRO

Em 2016, a Ancine analisou a produção dos longas-metragens nacionais lançados naquele ano:

 (Juliana Caro/Superinteressante)

 (Juliana Caro/Superinteressante)

 (Juliana Caro/Superinteressante)

GÊNERO, NÚMERO E COR

75% dos filmes produzidos naquele ano foram dirigidos por homens brancos. 19,7% foram feitos por mulheres brancas e 2,1% por homens negros. O único cargo técnico ocupado por mulheres negras foi o de “produção executiva”.

Se o diretor é negro, a chance de haver um ator ou atriz negros no elenco aumenta em 65,8%. Faz diferença: nos filmes de ficção, apenas 13% dos atores são negros ou pardos, contra 54% da população brasileira.

40% dos elencos são compostos por mulheres. Na população, elas representam 51,5%:

 

 (Juliana Caro/Superinteressante)

 (Juliana Caro/Superinteressante)

 

MAIOR (E MENOR) PÚBLICO E RENDA

Em 2018, o maior público foi o da cidade de São Paulo (SP). 13,6 milhões de pessoas foram ao cinema – uma renda de, aproximadamente, R$256 milhões. Já o menor foi em Córrego Fundo (MG): 20 pessoas gastaram, ao todo, R$ 134.

 (Juliana Caro/Superinteressante)

Naquele ano, 72% das salas brasileiras passaram Vingadores: Guerra Infinita em sua estreia. O filme foi o mais visto no país em 2018, com público de 14,5 milhões de pessoas.

Nada a Perder, biografia de Edir Macedo, foi o único longa nacional entre os dez mais vistos no Brasil em 2018. Ele ficou em segundo lugar, com 12 milhões de espectadores. Já O Cravo e a Rosa, documentário nacional exibido no Festival do Rio, foi o lançamento com menor público – apenas seis pessoas. Depois, ele passou no Canal Brasil.