Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Os filmes de terror mais assustadores, segundo a ciência

Como saber quais são os melhores filmes de terror? Medir a alteração nos batimentos cardíacos que os expoentes do gênero causam é uma boa. Veja quais são os maiores aceleradores de bpm. E entenda por que levar sustos, no fim das contas, faz bem.

Por Rafael Battaglia Atualizado em 13 jan 2022, 10h13 - Publicado em 16 dez 2021, 10h06

Texto Rafael Battaglia | Ilustração Estevan Silveira 
Design Juliana Krauss | Edição Alexandre Versignassi

Tenho basicamente dois medos: de altura e de O Exorcista (1973). O clássico do diretor William Friedkin é uma obra-prima do terror – e um dos filmes mais importantes da história. Foi o primeiro longa do gênero a ser indicado ao Oscar de Melhor Filme (uma das dez categorias em que concorreu na edição de 1974; levou duas: som e roteiro adaptado).

Mas, ao que parece, ele não é mais tão assustador. Num levantamento recente, O Exorcista aparece só na 21ª posição. É o que mostra a edição deste ano da Science of Scare (“Ciência do Susto”, em inglês).

Não se trata de um levantamento realmente científico. Quem promove a coisa é uma empresa britânica, a Broadband Choices. O trabalho dela é comparar planos de TV por assinatura, internet e telefonia do Reino Unido. Ou seja: nada a ver com rankings cinematográficos.

O tal ranking é uma ferramenta de marketing da empresa. Mas a maneira como ele foi feito é criativa – e emula, de certa forma, os métodos das pesquisas acadêmicas de fato (por isso estamos dando aqui na Super).

Eles convidaram 250 voluntários para assistir a 40 filmes de terror. Essa pré-seleção foi feita com base em recomendações do Reddit, um fórum, e de sites especializados em crítica de cinema.

O trabalho dos voluntários não era opinar sobre os filmes, mas terem seu batimento cardíaco monitorado enquanto assistiam – um processo que durou algumas semanas, e que foi feito sob supervisão médica.

E o campeão foi… Host (“Anfitrião”, em inglês; no Brasil, ficou como Cuidado Com Quem Chama, mas todo mundo chama de Host mesmo). É um filme de 57 minutos gravado durante a pandemia, em 2020. Toda a história acontece numa tela de Zoom, e as imagens foram captadas pelas câmeras dos computadores e pelos celulares dos atores.

Na trama, seis amigos se reúnem em uma videoconferência para matar as saudades em meio ao isolamento. Eis que uma das garotas, Haley, sugere convidar outra amiga, que é médium, para que todos experimentem participar de uma sessão. Aí você já sabe: um espírito começa a invadir suas casas e eles precisarão lutar para sobreviver.

A ideia nasceu de uma pegadinha do cineasta britânico Rob Savage. Em abril de 2020, quando o Reino Unido estava sob lockdown, Savage conversava com amigos pelo computador quando disse estar ouvindo passos no sotão de sua casa. Ele pegou uma faca e subiu, com a câmera ainda ligada. De repente, uma criatura sai das sombras e grita. Rob cai da escada, fica imóvel e aterroriza quem estava na call – menos um, que diz, ao final do vídeo: “Que incrível! Como você fez isso?”

Ele fez com pequenos truques de câmera – e com a inserção de uma cena de [Rec] (2007), um terror espanhol. Rob só precisou recortar um trecho do filme e integrá-lo ao vídeo, para dar a impressão de que era tudo ao vivo. A pegadinha viralizou e inspirou o cineasta a produzir seu longa. Ele passou os três meses seguintes filmando Host, que saiu pela Shudder, um streaming americano focado em terror (por aqui, ele está na Netflix).

Host, claro, não reinventa a roda. Produções baratas que simulam um documentário amador deixado por vítimas de eventos sobrenaturais explodiram após A Bruxa de Blair (1999). Essa categoria de filme, chamada de found footage, é um baita negócio: gasta-se pouco e ganha-se muito, sem perder a qualidade dos sustos. Atividade Paranormal (2007), um dos maiores expoentes do subgênero, custou US$ 215 mil e faturou US$ 193 milhões.

O segredo de Host é o timing. Ele estreou no final de julho de 2020, quando as vacinas ainda eram um sonho distante e todo mundo experimentava o isolamento, em menor ou maior grau. Impossível não sentir na pele.

Continua após a publicidade

No estudo, o longa obteve a maior média de batimentos cardíacos por minuto (bpm): 88 (veja na tabela abaixo). Isso representa 37,5% a mais que a média do ser humano em descanso (64 bpm). Com o sucesso, Savage assinou um contrato para dirigir três filmes pela produtora Blumhouse, de terrores como Atividade Paranormal, Sobrenatural (2010) e Uma Noite de Crime (2013).

Apesar de toda a metodologia, não dá para negar que o recorte da Science of Scare (40 filmes) é pequeno. No top 30 final, só duas produções ([Rec] e Aterrorizados) são de língua não inglesa – e a ausência de produções coreanas é inexplicável. Ainda assim, dá para tirar algumas coisas interessantes da pesquisa.

Por exemplo: 50% dos filmes da lista foram lançados na última década. Dos 30, 20 abordam “espíritos” – ou alguma entidade sobrenatural equivalente. Só quatro falam sobre serial killers; três sobre alienígenas e dois sobre zumbis, o que indica uma certa decadência desses gêneros, tão em voga nas últimas décadas. Outra exceção é O Homem Invisível (2020), que gira em torno de um superpoder: um cientista que, bem, fica invisível.

A lista também conta com produções inovadoras. O Babadook (2014) e Hereditário (2018) foram elogiados pela crítica por focarem no terror psicológico, que vai cozinhando o cérebro em fogo lento, em vez da aposta clássica em jump scares – aqueles sustos repentinos que te fazem pular da cadeira.

Outro exemplo de originalidade é Um Lugar Silencioso (2018). O mundo está tomado por aliens assassinos. Eles são cegos. Então só há um jeito de sobreviver: nunca, jamais, emitir qualquer ruído. Nisso, toda a tensão ali se constrói a partir do som – e da ausência dele.

Tabela com os filmes mais assustadores, segundo as batidas do coração por segundo.
Clique na imagem para amplicar. Juliana Krauss/Superinteressante

O lado bom do horror

O medo começa em uma região do cérebro chamada amígdala, um conjunto de núcleos responsável pela manifestação das nossas emoções. Em situações de perigo, nosso corpo se prepara para duas ações: lutar ou fugir. É uma herança evolutiva – somos uma máquina de reconhecer padrões, e se algo desconhecido escapa disso, o cérebro interpreta como uma possível ameaça à nossa sobrevivência.

A partir daí, o organismo injeta doses cavalares dos hormônios adrenalina e cortisol na corrente sanguínea. A pressão e a frequência cardíaca aumentam, as pupilas dilatam, os músculos recebem mais sangue (e glicose) e algumas partes do corpo, como o sistema gastrointestinal, reduzem a atividade para economizar energia (daí o “frio na barriga”).

Outras áreas do cérebro que trabalham ativamente nessa hora são o córtex pré-frontal (responsável pelo raciocínio, atenção e lógica) e o hipocampo, ligado à memória. Eles ajudam a interpretar e a memorizar uma possível ameaça.

Ilustração de Alex, personagem de Laranja Mecânica, assistindo telas com diversos filmes de terror passando.
Estevan Silveira/Superinteressante

 

Ora, se sentir medo é uma experiência tão intensa, por que tanta gente ama um filminho de terror? Existem algumas explicações. A primeira é o conceito da “busca pela sensação” – a predisposição que algumas pessoas têm em vivenciar constantemente coisas novas e intensas. Nesse caso, o sarrafo de excitação costuma ser alto; para atingi-lo, você precisa de alguma experiência mais extrema. Pode ser um salto de bungee jump. Pode ser um filme de terror bem feito.

Outro motivo tem a ver com o pós-susto. Ele gera a chamada “transferência de excitação”, um termo cunhado pelo psicólogo Dolf Zillmann, em 1971. A teoria diz que respostas emocionais podem ser intensificadas pela excitação de outros estímulos prévios – que não necessariamente precisam estar relacionados.

Traduzindo: se você assistir a um filme de terror com os seus amigos, a sensação agradável do rolê pós-sessão pode ser impulsionada pela excitação residual do seu corpo depois de levar alguns sustos.

Os efeitos psicológicos dos filmes de terror podem ir além. Diversos pesquisadores defendem que eles têm potencial para ajudar a curar traumas e fobias, via terapia de exposição. Seria uma maneira controlada de se colocar cara a cara com um medo, com o objetivo de superá-lo.

De fato: num estudo com mais de 300 pessoas, feito nos EUA e na Dinamarca, os fãs de terror apresentaram mais resiliência psicológica ao lidar com a Covid-19 do que os avessos ao gênero.

Em suma: da próxima vez que considerar ver um filme de terror, dê uma chance a ele. Uns sustinhos de vez em quando fazem bem.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês