Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em 1994, a maior mina de sal dos EUA colapsou

A mina Retsof, em Nova York, abriu buracos gigantes na região – e comprometeu parte das reservas de água. Entenda.

Por Rafael Battaglia
Atualizado em 14 dez 2023, 18h19 - Publicado em 14 dez 2023, 18h12

Desde 2018, cinco bairros de Maceió (AL) correm risco de afundar devido ao colapso das minas de sal-gema da Braskem, empresa petroquímica que explora a região. A situação se agravou nos últimos meses: mais de 60 mil pessoas deixaram suas casas, sob risco de desabamento.

O sal-gema é uma variação do sal de cozinha. Em vez do mar, sua extração acontece em poços subterrâneos, a mais de mil metros de profundidade. É um minério bastante usado na indústria química, na fabricação de produtos de limpeza e higiene.

Uma vez abertos, os poços precisam ser preenchidos com uma solução líquida – do contrário, a terra fica parecendo um queijo suíço, cheia de buracos – que enfraquecem o solo. É exatamente o que aconteceu em Maceió: esse líquido vazou – e tornou a região instável.

Não só: acredita-se que parte das minas da Braskem estejam em áreas de falha geológica, o que aumenta as chances de ruptura. A extração foi interrompida em 2019, mas o processo de afundamento do solo se intensificou nas últimas semanas.

Enquanto autoridades avaliam os riscos e investigam o problema (haverá uma CPI no Senado Federal sobre o caso), vale relembrar o episódio de Retsof, a maior mina de sal da América do Norte – que colapsou há quase 30 anos.

O desastre de Retsof

No Vale do Rio Genesse, a oeste do estado de Nova York, a extração de sal (tanto o de cozinha como o sal-gema) começou nos anos 1880, com a descoberta de jazidas a 300 metros de profundidade no condado de Livingston.

Em 1885, estabeleceu-se a Retsof Mine Company, criada por William Foster Jr. (“Retsof” é seu sobrenome escrito de trás para frente). Foster também fundou uma vila de trabalhadores por lá.

Continua após a publicidade

Nas décadas seguintes, Retsof se tornou a maior mina de sal dos EUA – e a segunda maior do mundo. Ela chegou a ocupar uma área de 26 quilômetros quadrados, empregar 325 pessoas e a faturar, na década de 1990, US$ 140 milhões por ano (valor atualizado pela inflação).

Mas tudo mudou em 12 de março de 1994. Às 5:43 da manhã, houve um tremor de magnitude 3.6 na escala Richter em Livingston (e que foi sentido a 480 quilômetros dali). Terremoto? Não: era a parte sul da mina de Retsof, que havia desabado.

Foi uma tragédia anunciada: na manhã anterior ao colapso, autoridades colocaram avisos de cuidado em uma rodovia próxima, devido a solavancos que surgiram na pista. E em novembro de 1993 (quatro meses antes), a parte de Retsof que desabou havia sido fechada por apresentar riscos potenciais.

Inicialmente, 22,5 mil metros quadrados de área cederam, a 365 metros de profundidade. O acidente abriu buracos, que fizeram com que a água subterrânea de aquíferos entrasse nas minas de sal a uma vazão de até 19 mil litros por minuto.

Continua após a publicidade

O contato da água com o minério criou uma salmoura (uma água bem salgada), que, com o tempo, contaminou os reservatórios de água potável da região. Ninguém se feriu, mas o tremor causos danos estruturais em algumas casas, além de abrir espaço para vazamentos de gases metano e sulfeto de hidrogênio na atmosfera.

Em abril de 1995, na região sul de Retsof, o epicentro do colapso, surgiu uma cratera com 60 m de diâmetro e 6 m de profundidade. Duas semanas depois, mais tremores – e o buraco aumentou para 180 m de diâmetro.

Enquanto as autoridades analisavam o problema, as atividades de extração se concentraram na parte norte de Retsof. O trabalho por lá continuou até setembro; em novembro, toda a mina já havia sido inundada.

Estrada rachada após o desastre de Retsof
(Comitê de Rochester para Informação Científica/Reprodução)

Que fim levou?

Em 2006, empresa holandesa Akzo Nobel, administradora da mina, começou a bombear salmoura para fora de Retsof, numa tentativa de dessalinizar a área – e evitar que o aquífero ficasse ainda mais contaminado.

Em 2010, contudo, a Akzo iniciou um acordo com o Departamento de Conservação Ambiental de Nova York e com o condado de Livingston, sob a justificativa de que o esforço seria insuficiente. A empresa gastava US$ 1 milhão anuais com a dessalinização – mas levaria centenas de anos para extrair toda a salmoura dali.

Ficou combinado assim: a Akzo pagou US$ 20 milhões ao governo local. US$ 17 milhões seriam destinados a reparos e manutenções no sistema de água. Os outros US$ 3 milhões seriam usados para monitorar a água subterrânea.

Continua após a publicidade

Foi o suficiente? Após a confirmação do acordo, parte dos moradores se disse satisfeita com a quantia da Akzo; outros não. Um relatório sobre o caso, elaborado pelo Serviço Geológico dos EUA em 2013, sugere que o valor relativamente baixo se deve à abundância de água por lá.

Mas o documento também ressalta que isso é relativo. Afinal, eventos climáticos podem comprometer as reservas da região no futuro. E aí pode ter certeza: toda aquela água cheia de sal vai fazer falta.

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.