Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Qual foi o primeiro texto literário em língua portuguesa?

Primeiro texto em português surgiu no século XII

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 fev 2017, 18h19 - Publicado em 31 ago 1996, 22h00

“Chama-se Cantiga da Ribeirinha e foi escrito por Paio Soares de Taveirós para sua amada Maria Ribeira”, conta Benilde Cianato, professora de Língua Portuguesa da Universidade de São Paulo. Ela narra a história de um amor não correspondido. Há dúvidas se a poesia foi escrita em 1189 ou 1198. Está registrada no Cancioneiro da Ajuda, um livro de textos manuscritos. A língua portuguesa originou-se do latim e o texto é escrito em galego-português. Na época, a Galícia (hoje Espanha), região próxima a Portugal, era um centro irradiador de cultura. Por isso o idioma sofreu influências do galego. O mais antigo documento em português é o Auto de Partilha, escrito em 1192. Trata-se de um acerto de partilha de terras recebidas em herança. Está guardado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, Portugal.

Cantiga da Ribeirinha

No mundo non me sei parelha,

mentre me fôr como me vai,

ca já moiro por vós – e ai!

mia senhor branca e vermelha,

queredes que vos retraia

Continua após a publicidade

quando vos eu vi en saia!

Mau dia me levantei,

que vos enton non vi fea!

E, mia senhor, dês aquel dia, ai!

me foi a mi mui mal,

Continua após a publicidade

e vós, filha de don Paai

Moniz, e ben vos semelha

d’haver eu por vós guarvaia,

pois eu, mia senhor, d’alfaia

nunca de vós houve nen hei

Continua após a publicidade

valia d’ua correa.

Tradução

No mundo não conheço

ninguém igual a mim,

enquanto acontecer o

que me aconteceu,

Continua após a publicidade

pois eu morro por vós – e ai!

Minha senhora alva e rosada,

quereis que vos lembre

que já vos vi na intimidade!

Em mau dia eu me levantei

Continua após a publicidade

Pois vi que não sois feia!

E, minha senhora,

desde aquele dia, ai!

Venho sofrendo de um grande mal

enquanto vós, filha de dom Paio

Muniz, a julgar forçoso

que eu lhe cubra com o manto

pois eu, minha senhora,

nunca recebi de vós

a coisa mais insignificante.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.