Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Qual foi o maior roubo de arte da história?

Os gatunos agiram na madrugada seguinte ao dia de São Patrício, cuja celebração costuma deixar cidades inteiras caindo de bêbadas.

Por Marcos Nogueira Atualizado em 16 out 2020, 16h02 - Publicado em 31 jan 2007, 22h00

O maior roubo a uma única galeria de arte aconteceu no Museu Isabella Stewart Gardner, em Boston (EUA): em 18 de março de 1990, dois sujeitos disfarçados de policiais surrupiaram 13 obras de arte, com valor total estimado na época em US$ 300 milhões. Numa lista elaborada pelo FBI, o crime só fica atrás da sucessão de pilhagens de peças históricas no Iraque após a derrubada de Saddam Hussein.

Na foto acima, você vê dois dos quadros surrupiados: “O Concerto”, de Johannes Vermeer (1663 – 1666), e “Cristo na Tempestade do Mar da Galiléia” de Rembrandt von Rijn (1606 – 1669).

  • Os gatunos agiram na madrugada seguinte ao Dia de São Patrício – festa irlandesa popular nos EUA, cuja celebração costuma deixar cidades inteiras caindo de bêbadas. Eles entraram no museu com a desculpa de terem recebido uma denúncia de perturbação da ordem pública. Uma vez dentro da galeria, dominaram os vigias e levaram as obras, que ainda não foram recuperadas. Embora tenha investigado vários suspeitos (alguns, figurões do mundo da arte), a polícia não prendeu ninguém.

    Há uma recompensa de US$ 10 milhões para informações que conduzam ao paradeiro das obras. O site do museu ensina a “quem quer que esteja com as peças” que elas precisam ser guardadas em ambiente climatizado, “idealmente a 21 ºC e 50% de umidade relativa”.

    Continua após a publicidade
    Publicidade