Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como funciona o luminol?

Reação química revela pistas ocultas na cena de um crime

Por Fernando Badô Atualizado em 14 fev 2020, 17h51 - Publicado em 18 abr 2011, 18h47

Essa substância, usada pela polícia para detectar vestígios de sangue, provoca uma reação chamada quimiluminescência. Grosso modo, esse “palavrão” descreve uma reação química que libera energia sob a forma de luz. O luminol é um pó – formado por átomos de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio — que é diluído em água oxigenada.

Essa solução, quando borrifada nos locais suspeitos, reage em contato com o ferro presente na hemoglobina do sangue e libera uma luz azulada, suficientemente forte para ser vista no escuro. “É produzida quimicamente uma excitação em um elemento químico. No caso do luminol em contato com o ferro, esse elemento é o oxigênio”, diz o biologista forense Mark Benecke, da International Forensic Research & Consulting, uma entidade de pesquisa criminalística da Alemanha. Abaixo, a gente explica os detalhes dessa reação.

Hora de dar à luz

Reação química revela pistas ocultas na cena de um crime

1. Um perito da polícia chega até a casa de um suspeito. A olho nu, ele não vê sinais de sangue — o assassino limpou o carpete da casa onde matou a vítima. Porém, mesmo após a faxina, no meio das fibras do carpete, ficam escondidas moléculas de sangue

2. Após fazer uma varredura completa no local, o perito borrifa a solução de luminol com água oxigenada nos pontos onde ele acha que pode haver vestígios de sangue. Esse procedimento é o último a ser feito pela perícia pois o luminol pode destruir outras evidências

3. Quando as gotas da solução de luminol entram em contato com o ferro da hemoglobina do sangue, átomos de nitrogênio (N) e hidrogênio (H) escapam das moléculas do luminol. De outro lado, a solução passa a capturar átomos de oxigênio (O) do sangue

4. Os elétrons dos átomos de oxigênio se agitam pela saída do nitrogênio e do hidrogênio. A energia dessa movimentação dos elétrons é dissipada em forma de partículas luminosas. O resultado é uma luz azulada que identifica o local onde estão vestígios de sangue. O suspeito tá ferrado!

Continua após a publicidade

Publicidade