Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

No atletismo, como é feita a cronometragem?

Tudo começa no revólver do juiz. Logo que ele aperta o gatilho para dar a largada, um sensor ativado por som faz a contagem começar. Aí, quando o corredor atravessa um sensor que detecta movimento, localizado na linha de chegada, seu tempo é marcado. Mas esse sistema é “cego”. Não serve para dizer quem chegou […]

Por Yuri Vasconcelos
Atualizado em 22 fev 2024, 11h14 - Publicado em 18 abr 2011, 18h49

Tudo começa no revólver do juiz. Logo que ele aperta o gatilho para dar a largada, um sensor ativado por som faz a contagem começar. Aí, quando o corredor atravessa um sensor que detecta movimento, localizado na linha de chegada, seu tempo é marcado. Mas esse sistema é “cego”. Não serve para dizer quem chegou na frente de quem. Para isso, existe uma câmera que tira 2 mil fotos da linha de chegada por segundo. Ou seja: mesmo diferenças de tempo na casa dos milésimos de segundo, invisíveis a olho nu, podem ser detectadas. Versões mais rudimentares do sistema, chamado de “photofinish”, existem desde Los Angeles-32. No começo, ele era usado só como um tira-teima. Ninguém, afinal, acreditava que uma parafernália elétrica pudesse contar o tempo melhor do que cronometristas experientes. Mas nos próprios Jogos de 1932 ela mostrou do que era capaz. A diferença entre o primeiro e o segundo colocados nos 100 metros rasos era tão minúscula que não havia como apontar o vencedor a olho nu. E o resultado estava lá no photofinish: 5 centímetros a favor de um deles. A maquininha, de cara, já deixava os cronômetros manuais várias voltas para trás.

Precisão absoluta
Gatilho serve como botão do cronômetro

1. O juiz usa um revólver de espoleta na hora de dar a partida, para manter a tradição. O som é reproduzido por alto-falantes em vários pontos da pista, para que todos os atletas ouçam na mesma fração de segundo. Acoplado à arma, fica um sensor ligado ao sistema de cronometragem. Quando ele “ouve” o estampido, dispara o cronômetro

2. Aqui, onde os competidores apóiam os pés, ficam os sensores que acusam se algum atleta queimou a largada. Se isso acontecer, uma buzina dispara automaticamente. O bloco não é fixo, claro, mas preso temporariamente ao chão por pregos de 5 milímetros

3. O piso é aderente e macio, para ajudar tanto na impulsão das passadas como para absorver o impacto. O que cobre a superfície da pista é uma camada de borracha granulada com 13 milímetros de espessura. E a base para esse revestimento é uma camada de asfalto

Continua após a publicidade

4. São quatro árbitros principais: o geral, o de partida, seu assistente e o juiz do photofinish. Ainda há uma série de auxiliares para verificar se ninguém queimou mesmo a largada ou invadiu a raia vizinha (o que só pode acontecer em provas de 400 metros para cima). Para garantir, cada atleta tem seu tempo medido por três cronometristas

5. Esses sensores eletrônicos marcam o tempo extra-oficial. Eles criam um campo magnético que cruza a pista, servindo como uma linha de chegada virtual. Quando um atleta passa por ela, esse campo é perturbado. E o cronômetro pára, indicando instantaneamente o tempo do primeiro colocado

6. Para saber quem terminou em primeiro numa chegada parelha, há o photofinish: duas câmeras filmam a linha de chegada e mandam a imagem para um computador. A máquina divide a imagem em linhas. E cada uma indica visualmente um intervalo de tempo de até 0,5 milésimo de segundo. Aí não tem como não ver quem ganhou

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.