Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

O que foi o protesto da Paz Celestial?

Episódio foi um dos mais marcantes do fim da Guerra Fria

Por Natália Rangel Atualizado em 14 fev 2020, 17h44 - Publicado em 12 ago 2014, 18h30

Foi a maior manifestação popular contra o Partido Comunista Chinês (PCC). Os protestos rolaram entre 15 de abril e 5 de junho de 1989, finalizados com o massacre da Praça da Paz Celestial, no centro político de Pequim. Com a queda da União Soviética, a China (assim como outros países socialistas) rendeu-se ao capitalismo. A abertura econômica, entretanto, não foi acompanhada de reformas políticas, deixando a população insatisfeita com a repressão aos direitos individuais, à liberdade de imprensa e de expressão, e com as péssimas condições sociais. Após os protestos, o país abrandou a linha-dura, apesar de o PCC seguir controlando a mídia e a influência cultural externa. Após o massacre, nenhum movimento enfrentou o partido de novo.

  • Relacionadas

Vem pra rua

Acompanhe, passo a passo, o maior levante popular da China

AVANTE, COMPANHEIROS!

Afastado do governo desde 1987 por ser considerado liberal reformista, Hu Yaobang morreu dois anos depois, em 15 de abril de 1989. Seu funeral levou milhares de estudantes da Universidade de Pequim às ruas, inspirados a protestar contra a repressão política do PCC

DORMINDO NA PRAÇA

Continua após a publicidade

Centro das manifestações, a Praça da Paz Celestial (Tian¿anmen, em chinês) foi ocupada pelos universitários. Aos poucos, intelectuais e trabalhadores juntaram-se a eles para protestar contra a corrupção, o desemprego e a inflação, que assolavam o país mesmo com a abertura econômica. Assim, o protesto virou um levante popular

(NÃO) PEDE PARA SAIR

Diante do fracasso das forças de segurança que há semanas tentavam desocupar Tian¿anmen, o secretário-geral do PCC, Deng Xiaoping, acionou tropas do Exército. Na noite de 3 de junho, tanques entraram na cidade passando por cima de tudo e de todos. Na manhã seguinte, a praça foi totalmente cercada, e os confrontos intensificados

ENTRE MORTOS E FERIDOS

Não se sabe quantas pessoas morreram no massacre. O PCC fala em 200 civis, mas a Anistia Internacional (entidade de defesa dos direitos humanos) estima 1.000 mortos, dentre mais de 100 mil manifestantes. Além dos milhares que foram presos, outros tantos fugiram para outros países e vivem até hoje afastados da China

O rebelde desconhecido

Manifestante anônimo encarou tanques de guerra

Em 5 de junho, o Exército ocupou a Praça da Paz Celestial. Um jovem desarmado partiu para a frente de uma fila de tanques e virou um escudo humano. O rebelde foi filmado, fotografado e virou notícia em todo o mundo.

Fonte Livro Os Chineses, de Cláudia Trevisan

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês