Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

O que são balas de festim?

Elas são parecidas com as munições comuns, e até fazem o mesmo barulho. Mas possuem uma diferença crucial - e, por isso, não matam

Por Tarso Araújo Atualizado em 22 out 2021, 16h16 - Publicado em 18 abr 2011, 18h35

As balas de festim são como balas normais, a não ser por um detalhe decisivo: elas não possuem projétil, a parte da munição que atinge o alvo. Por isso, costumam serem usadas como efeito especial em cenas de filmes e novelas – apenas para fazer barulho e simular um disparo real.

Um cartucho de munição (popularmente conhecido como “bala”) é composto de quatro partes. A primeira é o estojo, um recipiente tubular cheio de pólvora e que funciona como suporte para as outras partes. A segunda é a espoleta, que fica na base do estojo. Ela solta uma fagulha quando é atingida pelo percussor – o martelinho acionado pelo gatilho da arma. Essa fagulha queima a pólvora guardada dentro do estojo. Os gases liberados pela queima empurram a quarta e mais importante parte da munição: o projétil. Ele fica fixado na outra extremidade do estojo. E o tiro sai.

Mas na ponta da bala de festim não há um projétil, e sim um pequeno orifício. A pólvora queima da mesma forma, mas não há o que empurrar. Por isso, a bala de festim faz o barulho e dá a sensação de que está disparando algo, mas nada sai do cano.

Se o tiro for à queima-roupa, o gás quente que sai do cano pode causar ferimentos. “Se o cano da arma estiver colado ao crânio ou alguma parte sensível como o olho, o deslocamento de gás pode causar uma ferida grave”, diz o perito criminal Nelson Correia da Silva Júnior, da Polícia Civil de São Paulo. Mas dificilmente um tiro com a bala falsa poderia matar alguém.

Entenda as diferenças entre os principais tipos de bala. As de festim são as únicas sem projétil.

BALA NORMAL

Tem as quatro partes essenciais da bala: o estojo, a espoleta, a pólvora e o projétil. Quando a queima da pólvora produz gases, o projétil – geralmente de chumbo em forma de ogiva – é impulsionado a grande velocidade para fora da arma

BALA DE FESTIM

Em vez do projétil, tem um furo na frente para liberar o gás da queima da pólvora – a saída do gás esgarça a ponta do estojo. Se não houvesse esse orifício, os gases poderiam sair pela espoleta, parte mais sensível do cartucho, causando o famoso “tiro pela culatra”

Continua após a publicidade

EXPANSIVA (DUM-DUM)

O projétil tem uma ponta oca e riscos na parte de fora. Quando ele encontra um objeto aquoso ou gelatinoso, como um órgão animal, abre como se fosse uma flor, fazendo uma verdadeira cratera dentro do alvo. O dano é tão grande que seu uso é proibido em guerras

ENCAMISADA

O projétil tem um revestimento de cobre, náilon ou outro material que deslize pelo cano da arma melhor que o chumbo. Resultado: o tiro sai com mais velocidade, o que melhora a precisão e o alcance do disparo

TRAÇANTE

Tem uma substância na base que solta um pó luminoso quando acontece a combustão da pólvora, deixando um rastro visível na escuridão. Uma variante é a bala explosiva, que tem na base um material inflamável e funciona como um pavio aéreo

PERFURANTE

Tem o núcleo do projétil feito de aço e cabeça pontiaguda. A dureza e a forma afinada fazem-na atravessar até blindados de guerra. Ao contrário das expansivas, essa é exclusiva das Forças Armadas, embora os bandidos consigam contrabandeá-la

Continua após a publicidade

Publicidade