Clique e assine com até 75% de desconto

Corrida no fim do mundo

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h13 - Publicado em 30 abr 2005, 22h00

Texto de João Paulo Mazzilli Costa

Todos os anos, durante seis dias, dezenas de homens e cachorros enfrentam as paisagens glaciais da Noruega, na corrida de trenó mais longa da Europa. Nosso repórter percorreu os 1 000 km do trajeto, que se estende pelo extremo norte do planeta

Largada

A corrida, que tem o singelo nome de Finnmarkslopet, começa na pequena cidade de Alta – 2 mil km ao norte de Oslo, capital norueguesa, e a apenas 1 800 km do Pólo Norte – e transcorre dentro dos limites do Círculo Polar Ártico

Cenário ártico

As jornadas diárias superam 18 horas. O time, formado por um musher (o piloto do trenó) e 14 cachorros, percorre até 200 km por dia sob temperaturas baixíssimas, ventos cortantes e nevascas

Continua após a publicidade

Ida e volta

Vilarejos noruegueses funcionam como checkpoints, onde veterinários avaliam as condições físicas dos cães e mushers descansam ou pernoitam. A prova vai até Kirkenes, na fronteira com a Rússia, e retorna a Alta

Questão de honra

Cães machucados não podem prosseguir na prova. E, uma vez retirado, o cão não pode ser substituído. O trenó segue desfalcado, o que quase sempre representa a derrota do piloto

Parada à vista

Um dos maiores desafios da prova é se orientar na brancura desoladora da paisagem. Os bastões vermelhos espetados na neve são um alívio para competidores. Indicam a proximidade de um ponto de descanso e, portanto, o momento de comer e dormir antes de encararem a etapa seguinte

Continua após a publicidade
Publicidade