Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Desenvolvimento: Como você cresceu!

Um hormônio, ao menos, tem uma função bem visível: fez você crescer dos cerca de 50 cm com que nasceu até a sua estatura de hoje.

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h37 - Publicado em 31 ago 1998, 22h00

Xavier Bartaburu

O nome dele não tem nada de complicado. É simplesmente chamado de hormônio de crescimento. No entanto, é muito especial. Produzido pela hipófise, viaja pelo sangue até encontrar seu receptor no fígado. Lá, estimula a produção dos fatores de crescimento, que dão ao osso o comando para multiplicar as células. Assim, o osso se alonga e a criança cresce. Os bebês se esticam com a maior velocidade. Podem aumentar a estatura em mais de 30 centímetros nos dois primeiros anos. No início da vida, o crescimento depende bastante dos hormônios da tireóide. Com a chegada da puberdade, entram em cena os hormônios sexuais e acontece um outro estirão – entre os 12 e os 15 anos de idade, a esticada pode chegar a 10 cm em único ano. Mesmo depois de você parar de crescer, o hormônio de crescimento continua sendo produzido, para a manutenção dos órgãos, controlando a reposição de células.

 

 

De que altura eles vão ficar?

Com base na estatura dos pais, pode-se calcular a dos filhos .

Imagine um final feliz para o filme Titanic. Salvos milagrosamente do naufrágio, Jack e Rose se casariam e, claro, teriam filhos. Qual seria a altura deles? Uma previsão segura é impossível. Mas você pode arriscar um palpite científico, com uma margem de erro pequena. O Laboratório de Crescimento dos Hospital das Clínicas de São Paulo trabalha com uma fórmula para calcular a altura dos filhos na idade adulta. Você soma a altura do pai e a da mãe e divide o resultado por dois. A partir da altura média dos pais, você soma 10 cm se a criança for um menino e subtrai 4 cm se for uma menina. Ao lado, os atores Leonardo di Caprio e Kate Winslet – o par romântico de Titanic – e seus hipotéticos filhos (em montagem por computador). Veja a estatura de cada um deles.

Continua após a publicidade

 

Quem sabe é super

A hipófise pode falhar e não produzir a quantidade ideal de hormônio de crescimento. A falta provoca nanismo e o excesso causa gigantismo, duas doenças provocadas pela disfunção da glândula. Sem cura.

 

Vale a pena ser gigante?

Com 2,32 metros de altura, o paquistanês Haji Mohammad Channa ostentou até o final de 1997 o título de homem mais alto do mundo. Ele sofria de gigantismo, uma doença na qual o corpo não pára de crescer, por excesso de hormônio de crescimento. Isto acontece por causa de um tumor na hipófise que aumenta sem parar, até destruir a glândula. É por isso que gigantes não vivem muito tempo. Channa morreu em julho de 1998, com 42 anos.

 

Brasileiros cada vez maiores

A melhoria da alimentação está aumentando a estatura dos brasileiros, que já se aproximam do tamanho dos habitantes dos países ricos. Uma pesquisa do médico sanitarista Carlos Augusto Monteiro, da Universidade de São Paulo, comparou os dados referentes à altura de pessoas nascidas a partir de 1952. Conclusão: os adultos que nasceram na segunda metade da década de 60 são, em média, maiores do que os nascidos na primeira metade da década de 50. Pela projeções, os nascidos em 1990 ficarão, em média, 7 centímetros mais altos do que os nascidos em 1952.

Continua após a publicidade
Publicidade