Clique e assine com até 75% de desconto

Em temperaturas altas, carrapatos preferem humanos a cães

E mais: com o aquecimento global, é provável que doenças como a febre maculosa se tornem mais comuns devido a esse fenômeno.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 16 nov 2020, 18h54 - Publicado em 16 nov 2020, 18h23

Quando as temperaturas são mais altas, carrapatos que costumam parasitar cachorros passam a preferir humanos como hospedeiros, segundo um novo estudo divulgado nesta segunda-feira (16). Os resultados alertam para mais um impacto do aquecimento global na saúde pública do mundo, já que esses animais podem transmitir a febre maculosa, uma doença potencialmente fatal.

“Nosso trabalho indica que, quando o clima esquenta, devemos ficar muito mais vigilantes para infecções de febre maculosa em humanos”, disse em comunicado Laura Backus, da  Universidade da Califórnia, que liderou o estudo. “Nós descobrimos que, quando as temperaturas aumentam de cerca de 23º C para 38º C, os carrapatos marrons de cães que transmitem a doença têm 2,5 vezes mais chances de preferir humanos a cachorros”, explica.

Carrapatos são pequenos aracnídeos hematófagos, ou seja, que se alimentam de sangue de outros animais. Muitas espécies carregam protozoários, bactérias e outros patógenos que causam doenças sérias e, por isso, são considerados problemas de saúde pública. Uma delas é tal da febre maculosa, causada pela bactéria Rickettsia rickettsii, que, no Brasil, é transmitida sobretudo pelo carrapato-estrela (Amblyomma cajennense). Ela se concentra na região Sudeste, especialmente no interior do estado de São Paulo. Se não tratada rapidamente, a doença pode levar a morte em mais de 20% dos casos.

Os Estados Unidos também enfrentam o problema. Por lá, a variação da doença conhecida como febre maculosa das montanhas rochosas é transmitida, principalmente, pelo carrapato marrom (Rhipicephalus sanguineus), muito comum em cães domésticos. Nos últimos 20 anos, os registros de casos no país dispararam: de 495 em 2000 para 6.248 em 2017, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. Outras doenças causadas por carrapato, como a Doença de Lyme, também ficaram mais comuns em épocas recentes – assim como hipóteses sobre a influência do clima na questão.

No estudo, cujos resultados foram divulgados na Convenção Anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene, os pesquisadores americanos testaram como as temperaturas afetam as decisões dos carrapatos na prática. Eles construíram um aparelho formado por duas câmaras conectadas por um tubo transparente de plástico, sendo que, em uma delas, havia um voluntário humano e, na outra, um cão. No tubo que conectava os dois recintos, os pesquisadores colocaram carrapatos e observaram para que lado eles iam buscar sua comida em diferentes temperaturas.

Continua após a publicidade

Quando o termômetro media temperaturas amenas (entre 20ºC e 30ºC), os carrapatos seguiam sua preferência normal – caminhavam para a câmara contendo o cãozinho para parasitá-lo. Mas, quando as temperaturas eram altas (30ºC a 40ºC) acontecia o inverso: os bichos deixavam de preferir o cachorro e passavam a ir para a câmara do humano.

Vale lembrar que, obviamente, os pesquisadores não deixavam os carrapatos concretizar seus planos de se alimentar e infectar os voluntários, tanto humanos como caninos. O objetivo era só ver para onde eles eram atraídos.

Essa mudança de preferência ocorreu principalmente com um subtipo do carrapato marrom, conhecido como “carrapato tropical”. Quando houve o aumento das temperaturas, ele tinha 2,5 mais chances de procurar humanos do que cachorros, segundo o estudo. Essa linhagem dos parasitas aparece nos estados do sul do país, como Flórida, Califórnia e Arizona. Mas, com as mudanças climáticas, que elevam as temperaturas pelo mundo, é possível que a espécie se espalhe mais para o norte, levando a doença consigo.

Um outro subtipo do carrapato, conhecido como “temperado”, ocorre em quase todos os estados dos EUA (exceto Alasca e Havaí) e também pode carregar a bactéria da febre maculosa. Essa linhagem, porém, não apresentou uma mudança tão radical em suas preferências alimentares com o aumento das temperaturas. Quando o termômetro marcava 38ºC, eles até paravam de se encaminhar para os cães, mas não iam até os humanos. Ao invés disso, eles ficaram em um estado “neutro”, parados no tubo que conecta as câmaras.

Ainda não se sabe com exatidão como a mudança de temperatura causa esse efeito, mas sabe-se que carrapatos buscam hospedeiros através do seu cheiro, então é possível que o clima afete (e confunda) o olfato do bicho.

Segundo a equipe, o estudo é importante porque alerta que autoridades de saúde devem ficar mais atentas à doença em épocas de clima elevado. O tratamento precoce é essencial para evitar mortes. Muitas vezes, a febre maculosa acaba não sendo diagnosticada com rapidez, já que ela possui alguns sintomas comuns a várias enfermidades (febre, dor de cabeça, dores corporais, etc.).

Continua após a publicidade
Publicidade