GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Mapa revela 97 novas áreas do cérebro

Neurocientistas conseguem criar o mapa cerebral mais detalhado de todos os tempos

Há décadas, neurocientistas têm tentado mapear o cérebro, sempre de formas diferentes – alguns focando nas células; outros, nas funções cerebrais; outros, ainda, nas estruturas que formam o órgão. Mas agora, estudiosos da Escola de Medicina da Universidade de Washington foram além: juntando tudo o que se sabe sobre o cérebro, eles criaram um super mapa da mente, que revela quase 100 áreas jamais encontradas antes.

Esse atlas é um olhar detalhado sobre o córtex, a superfície do cérebro. Formada por cerca de 20 bilhões de neurônios, ela é responsável pelos sentidos, pelos movimentos e por algumas outras funções, como as emoções e a tomada de decisões. Os cientistas conseguiram identificar 83 áreas já conhecidas e, além delas, 97 novas, como uma área no topo do cérebro, ligada à linguagem, e uma próxima aos olhos, ligada à resolução de problemas. Além do mapa, eles criaram um programa de computador que já consegue reconhecer e classificar as 180 áreas, no cérebro de qualquer pessoa, com 97% de certeza. 

Não foi fácil mapear a mente. Para começar, os cientistas observaram os cérebros de 210 pessoas jovens e saudáveis enquanto elas executavam tarefas como jogos de memória e problemas matemáticos, e mediram algumas características, como as variações nos fluxos de sangue durante cada atividade ou a grossura do córtex em cada pessoa. 

Os resultados foram comparados com dados do Human Connectome Project, um estudo que analisou, ao longo de cinco anos, os cérebros de 1.200 pessoas enquanto elas realizavam atividades diferentes, como leitura, jogos de linguagem e a contação de histórias. Finalmente, sobrepondo todos esses dados, os cientistas conseguiram criar uma espécie de cérebro ideal – o tal mapa cerebral detalhado, com as 180 áreas funcionais. 

Com um mapa desses, alguns problemas poderiam ser resolvidos: cirurgias neurológicas seriam bem mais fáceis; a evolução humana ficaria um pouco mais clara; doenças como Alzheimer, autismo e demência seriam mistérios menores. Mas os criadores reforçam que essa é uma “versão 1.0” do que um dia será um mapa perfeito do cérebro, e que muitas das 180 regiões mapeadas ainda são grandes mistérios. Por isso, uma versão 2.0  ainda demora a chegar.