Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Poluição do ar causou 1,1 milhão de mortes na África em 2019, indica estudo

Poluição do ar ambiente e do ar doméstico são a segunda maior causa de mortes no continente. Pesquisadores afirmam que os países estão em posição única para alcançar prosperidade sem combustíveis fósseis.

Por Luisa Costa
11 out 2021, 19h21

A poluição do ar está custando caro aos países africanos. Segundo um novo estudo, ela foi responsável por 1,1 milhão de morte em 2019 – o que corresponde a 16,3% do total de óbitos no continente. Isso coloca a poluição como a segunda maior causa de morte na África, atrás somente da Aids.

Os cientistas apontam que, à medida que os países do continente se desenvolvem economicamente e as cidades se expandem, os impactos da poluição do ar tendem a aumentar. O estudo é considerado a avaliação mais abrangente da poluição do ar no continente africano até o momento. Ele foi liderado por pesquisadores do Boston College (Estados Unidos) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Os cientistas analisaram as tendências da poluição do ar em 54 países africanos, mas dedicaram atenção especial a três países – Etiópia, Gana e Ruanda –, que encontram-se em pontos críticos de desenvolvimento econômico.

As mortes atribuíveis à poluição do ar resultam de infecções respiratórias, isquemia cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crônica e acidente vascular cerebral. Além disso, a poluição pode causar lesões cerebrais em bebês e crianças pequenas, o que pode levar a declínios cognitivos.

Os cientistas indicam que 700 mil mortes de 2019 foram causadas por poluição do ar doméstico, enquanto 400 mil foram causadas pela poluição ambiente. A poluição doméstica é gerada pela utilização de combustíveis e tecnologias poluentes dentro das casas – como carvão e querosene usados em fogões.

Continua após a publicidade

Segundo o estudo, as doenças e mortes relacionadas à poluição do ar doméstico estão reduzindo – mesmo que de forma lenta e desigual entre os países africanos –, graças a iniciativas governamentais e não governamentais.

Enquanto isso, a poluição do ar ambiente (causada pela queima de combustíveis fósseis por automóveis e indústrias, por exemplo) está aumentando em todo o continente. Os cientistas apontam que essa tendência é mais evidente em Gana – que, dentre os três países analisados de perto, se destaca por seus avanços econômicos recentes.

Os pesquisadores também associaram as doenças e mortes ao gênero: 43% das mortes relacionadas à poluição do ar ambiente e 47% das mortes relacionadas à poluição do ar doméstico ocorrem em mulheres.

Além de prejudicar a saúde humana, a poluição representa custos econômicos aos países. Segundo o estudo, as mortes e doenças associadas à problemática representam uma perda de US $3 bilhões na Etiópia; US $1,6 bilhão em Gana e US $349 milhões em Ruanda.

“Os países africanos estão em uma posição única para superar os erros cometidos em outros lugares e alcançar a prosperidade sem poluição”, afirma Philip Landrigan, professor do Boston College, que liderou o estudo.

“Encorajamos os líderes da África a aproveitarem o fato de que seus países ainda estão relativamente no início de seu desenvolvimento econômico e a fazerem uma transição rápida para a energia eólica e solar, evitando o aprisionamento em economias baseadas em combustíveis fósseis”. 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição atmosférica é uma das maiores ameaças ambientais à saúde humana, junto às mudanças climáticas, sendo responsável por cerca de sete milhões de mortes prematuras anualmente. Recentemente, a OMS endureceu indicadores de qualidade do ar – em uma tentativa de reforçar a pressão para que os tomadores de decisão ao redor do mundo enfrentem o problema.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.