Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Entenda o que Elon Musk veio fazer no Brasil

Não é de hoje que o bilionário visa trazer para cá os serviços da Starlink, sua empresa de internet via satélite.

Por Luisa Costa Atualizado em 20 Maio 2022, 19h17 - Publicado em 20 Maio 2022, 16h49

Na manhã desta sexta-feira (20), Elon Musk chegou ao interior de São Paulo para se encontrar com o presidente Jair Bolsonaro, além de outros políticos e empresários. Ele veio a negócios: o homem mais rico do mundo quer levar a Starlink para a Amazônia.

A Starlink é um projeto da Space X, empresa de Musk que se destaca mundialmente como fornecedora de sistemas de lançamento espaciais – e como a única a utilizar foguetes reutilizáveis (que reduzem custos e aumentam a frequência de lançamentos) até o momento.

O objetivo da Starlink é, a partir dos serviços da Space X, oferecer internet banda larga via satélite em todo o mundo. Os primeiros satélites foram lançados em maio de 2019, e a ideia é construir uma rede com dezenas de milhares de satélites na órbita terrestre baixa (a uma distância de cerca de 550 km – a Estação Espacial Internacional, em comparação, está a 400 km).

A empresa geralmente fornece serviços para clientes convencionais (como eu e você), mas recentemente manteve contato com o governo federal brasileiro para discutir possibilidade de atuação por aqui.

Em novembro de 2021, Musk se encontrou com o ministro das comunicações, Fábio Faria – que, na época, afirmou que a Starlink viria para “conectar escolas rurais” (fornecendo internet em áreas remotas) e “proteger a Amazônia” (do desmatamento, fornecendo monitoramento via satélite).

Continua após a publicidade

Nesta sexta (20), o bilionário disse em sua conta no Twitter que estava muito animado para tais missões e que os satélites da Starlink poderão levar internet a 19 mil escolas. 

A Anatel (Agência Nacional das Telecomunicações) concedeu à Starlink, em janeiro, o direito de oferecer seus serviços em todo o território brasileiro, até 2027. Em fevereiro, quando a empresa começou as operações por aqui, o governo do Amazonas declarou que mantinha contato para instalação da tecnologia no estado.

Os possíveis acordos entre governantes brasileiros e Musk, que recentemente anunciou a compra do Twitter por US$ 44 bilhões (mas talvez volte atrás), não foram divulgados ainda. Por enquanto, especialistas afirmam que os sistemas de monitoramento disponíveis, por exemplo, já dão conta do recado na Amazônia. Segundo eles, o que falta não são satélites, mas a fiscalização do poder público.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)