Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Ganhe dinheiro para ir ao trabalho de bike em São Paulo

Quanto maior a distância pedalada, mais grana você ganha - e detalhe: o mínimo é R$50

Por Helô D'Angelo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h58 - Publicado em 9 jun 2016, 19h15

São Paulo tem mais de 400 km de caminhos possíveis para você pedalar, 6 mil vagas em bicicletários e mais de 2 mil bicicletas disponíveis para alugar. Agora, mais um empurrãozinho para quem ainda não se decidiu a usar a magrela no dia a dia: o programa Bike SP, que vai remunerar quem for pedalando para o trabalho. 

Por enquanto, o programa é apenas um projeto de lei do vereador José Police Neto (PSD), mas já passou na Câmara Municipal de São Paulo – um primeiro passo para uma lei ser aprovada em nível municipal. Quem usar a bike pelo menos três vezes por semana (mesmo junto com o transporte público) para chegar ao trampo vai ganhar um Cartão do Ciclista, com crédito mínimo de R$50 por mês, que será fiscalizado por meio de um aplicativo. Quanto mais pedal, mais grana: o valor aumenta conforme forem os quilômetros rodados.

LEIA: Experiências de quem pedala na periferia

É como se fosse um vale transporte exclusivo em que o dinheiro só poderá ser usado para a manutenção da bicicleta e para comprar itens de ciclismo, como capacetes e luzes. E, assim como o VT, o Cartão será concedido pela própria empresa na qual a pessoa trabalha. Em troca, o governo vai reduzir o IPTU dos empregadores em até 20%, dependendo do número de funcionários que aderirem ao programa. Para participar, a empresa deve ter pelo menos 30% de empregados ciclistas, oferecer vagas para as bicicletas na garagem e vestiários com chuveiro para o cecê não invadir o escritório. 

Continua após a publicidade

O objetivo do projeto é criar uma cultura favorável às bikes, já que ainda é muito perigoso trocar o carro por elas em São Paulo. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), morreram quatro ciclistas por mês no ano passado. Se você acha que a ideia não vai pegar, fique sabendo que a inspiração para o Bike SP vem da França, onde uma iniciativa parecida pagou 0,25 euros por quilômetro percorrido. Desde 2014, quando foi implantado, o número de ciclistas aumentou 80% no país. 

LEIA: A Revolução das Cidades – Da terra aos telhados

O projeto segue agora para a votação em plenário na Câmara – o que deve acontecer ainda em junho – e, se aprovado, vai para sanção do prefeito Fernando Haddad. A intenção é que o Bike SP seja coordenado pela Secretaria Municipal de Transportes, com o apoio da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente. É um longo caminho, mas tomara que dê pra ir de bike.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.