GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Livro do Menino do Acre entra para a lista de mais vendidos

"TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento", de Bruno Borges, está em vigésimo lugar – dividindo espaço com "Homo Deus" e Dráuzio Varella

“Enquanto eles se batem, dê um rolê”, recomendaram os Novos Baianos na canção de 1971.

Bruno Borges, o “menino do Acre”, seguiu o conselho ao pé da letra: em 27 de março, almoçou e saiu de fininho para um rolê que ainda não acabou. Na semana após o sumiço, não houve Temer, Lula ou JBS capaz de tirá-lo da capa dos jornais. Não por conta do desaparecimento em si, mas pelas circunstâncias que envolvia o caso. Relembrando: Bruno deixou 14 grossos livros manuscritos, dentro de um quarto repleto de códigos escritos na parede. A criptografia era juvenil, extremamente simples de decifrar, e os tais manuscritos, uma coleção de reflexões mal-ajambradas do tipo:

“Eu apenas quero mostrar, pela minha barganha de conhecimentos empíricos e teóricos, a conclusão que eu cheguei, pois, como eu ia dizer, essa é uma teoria pela qual eu coloquei em prática durante anos suas funcionalidades e pude perceber que dava certo, uma vez que foi dela que saiu tantas ideias totalmente originais partidas de mim mesmo.”

Agora, quatro meses após o sumiço do “menino” (que não é menino, já que tem 24 anos), a obra dele começa a ser publicada. Não. Ele não reapareceu. Quem decidiu publicar foi a família. O primeiro volume de Bruno, intitulado TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento, entrou em pré-venda pela editora Arte e Vida por R$ 24,50 – o lançamento nacional ficou para o dia 21 de julho. Segundo o site especializado Publish News, a obra alcançou o vigésimo lugar na lista de livros de não-ficção mais vendidos do país entre os dias 24 e 30 do mês passado.

Isso significa que a editora já esgotou, com folga, a tiragem original de 20 mil cópias – 14,8 mil já estavam reservadas antes mesmo do lançamento, afirmou a editora Renata Carvalho.

Quem quiser uma degustação da compra arriscada pode preencher um formulário e baixar as três primeiras páginas. Este repórter não sabe se a editora usará os dados coletados para encher sua caixa de entrada com notícias sobre o lançamento dos próximos 13 volumes – fica por sua conta e risco.

No site oficial, brunoborgeslivros.com, a descrição não poupa promessas. Leia abaixo:

“Bruno Borges revela através de intensa pesquisa uma metodologia capaz de potencializar a absorção e a criação de novos conhecimentos. O autor propõe uma série de práticas e mecanismos que podem levar o indivíduo a multiplicar seus conhecimentos.” A capa segue a proposta: letras e frases de efeito espelhadas e o capuz do filósofo italiano Giordano Bruno dão o tom do quarto do rapaz.

Para a polícia, o caso está resolvido. “Não foi um sequestro, se trata de vontade própria (…) há um plano para divulgação das obras”, afirmou à imprensa, no mês passado, o delegado Alcino Sousa Jr.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Black Philip

    Marketing

    Curtir

  2. Alex Cândido

    Ridículo. Ridículo até onde as pessoas estão dispostas a ir por fama, e tão triste quanto isso é ver toda uma população ávida por algo que as tire do cotidiano, facilmente fascinada por qualquer palhaço que sabe mandar uns rabiscos estranhos na parede de um quarto e misturar um monte de simbologias nada a ver (tipo círculo da transmutação humana do DESENHO ANIMADO JAPONÊS Full Metal Alchemist, reiki usui, psicanálise e cabala). Toda essa situação em torno do Bruno é só mais um reflexo do desespero generalizado que vivemos, que faz com que as pessoas estejam dispostas a abraçar qualquer imagem, qualquer simulacro de espiritualidade.
    Muito triste.

    Curtir

  3. Muito triste Alex Cândido, pois sem ler a obra já diz que é um simulacro de espiritualidade. Típico da nossa era, a imediatez, não leu, mas já tem uma crítica. O rapaz por sua vez foi genial pois conseguiu atenção, agora se sua obra é boa ou não só aqueles que leram, ainda sim, mesmo que a crítica ache ruim, pode ser útil para um, o que já é suficiente. Pelo pouco que li, não parece ser qualquer palhaço, afinal se o intuíto é ajudar as pessoas, mesmo que for uma simples compilação de auto-ajuda, qualquer um sabe que é suficiente, e não se trata de uma palhaçada. Deixa o cara ser feliz, pois é melhor criticar quem realmente vale a pena, a começar pelos políticos de TODOS partidos.

    Curtir