Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Mudar para Marte vai custar o preço de uma casa, diz Elon Musk

O bilionário dono da SpaceX finalmente revelou seu plano para a colonização de Marte. Spoiler: envolve uma vista panorâmica, um cruzeiro espacial e reduzir custos em 50.000 vezes.

Por Ana Carolina Leonardi
Atualizado em 31 out 2016, 19h02 - Publicado em 27 set 2016, 21h00

O empresário Elon Musk só vê duas possibilidades para o futuro: ou a humanidade vai ser eventualmente extinta, ou vai se espalhar pelo Sistema Solar. E ele acaba de divulgar o plano da sua empresa espacial, a SpaceX, para garantir que a segunda opção seja possível. O primeiro passo é colonizar Marte – a preço de banana.

A pedra fundamental do plano de Musk é simples: para mandar gente para Marte, ele precisa que grande parte das pessoas tenham grana o suficiente para isso. Não é fácil – a estimativa é que a viagem, hoje, custe US$ 10 bilhões por cabeça.

Mas, e se desse para se mudar para Marte com a grana equivalente a uma casa terráquea? É exatamente aí que Musk quer chegar: o objetivo é que o transporte para o Planeta Vermelho custe perto dos U$ 200 mil dólares, preço médio de uma casa dos Estados Unidos – e caia ainda mais conforme as viagens fiquem mais frequentes.

O preço de cada passagem precisa cair 50 mil vezes. Parece um sonho distante, mas, segundo a apresentação de Musk no Congresso Astronômico Internacional (dá para assistir na íntegra aqui), seria possível fazer isso em apenas três passos.

Reciclagem espacial

Primeiro: os equipamentos que fazem as viagens precisariam ser totalmente reutilizáveis – dos boosters (ou foguetes auxiliares, que vão se soltando ao longo da viagem), até as naves em si. Musk usa o exemplo dos aviões: se cada Boeing só pudesse ser usado uma vez, as passagens seriam caríssimas. Elas não são porque cada aeronave faz diversas viagens.

Essa lógica é diferente de como fazemos as viagens espaciais hoje em dia: boosters são deixados para trás e a maioria das naves não são pensadas para voltar para a Terra. Mas há tempos que a SpaceX já pensa o design de seus boosters e naves para que eles sejam capazes de aterrissar e voltar ao espaço diversas vezes. O primeiro item é, então, relativamente “moleza”.

 

Continua após a publicidade

 

Posto de gasolina

Outro problema logístico é que para ir (e voltar!) de Marte, é necessária uma quantidade enorme de combustível. Para resolver essa questão, entra o passo 2 de Musk: vai ser preciso que as naves a caminho de Marte sejam reabastecidas em órbita.

Isso quer dizer que a nave em si não precisa sair da Terra lotada de combustível. O booster leva o equipamento até a órbita terrestre, recarrega, e vai ao espaço com o combustível necessário para a próxima fase da viagem. Com isso, sobra espaço para bagagem, carga para construir infraestrutura em Marte e, é claro, gente.

E não é pouca gente, não. Musk quer levar muitas pessoas para Marte de cada vez. Ele está construindo o maior foguete já visto, capaz de carregar 550 mil toneladas. Quanto mais gente, mais barata a passagem, então a nave carregaria de 100 a 200 pessoas.

Continua após a publicidade

Para entreter toda essa galera durante a viagem de 100 dias (que é o quanto a SpaceX quer que demore o trajeto e que ela pretende alcançar na próxima década)  a área destinada à tripulação colonizadora teria teto transparente para uma visão panorâmica do Universo, um restaurante, filmes e até uma área de jogos com Gravidade Zero. Praticamente um cruzeiro espacial.

O combustível

Até recentemente, a SpaceX defendia o hidrogênio como melhor opção de combustível para a viagem interplanetária. Só que hidrogênio é altamente instável e caro. Outra opção seria o querosene, usado em jatos. Mas o grande escolhido da vez é o metano (CH4) a temperaturas baixíssimas – ou o methalox criogênico.

Esse combustível não apenas é barato na Terra e é reutilizável, mas, teoricamente, pode ser produzido em Marte. Ou seja: a nave/cruzeiro enorme não precisaria levar o combustível da volta, uma vez que ele pode ser gerado no próprio destino.

Continua após a publicidade

A matéria-prima básica está lá: gelo (H2O solidificada) e gás carbônico (CO2). Produzir metano e oxigênio para combustão seria apenas uma questão de energia – que Musk propõe conseguir usando painéis solares gigantes.

Pode preparar a mudança

Para amarrar esses três passos, a SpaceX também precisa que as viagens sejam feitas em grande escala. O momento mais estratégico para viajar até Marte é esperar as órbitas dos planetas se aproximarem, o que acontece de dois em dois anos. O projeto de Musk é que, depois das viagens iniciais, a SpaceX esteja lançando mais de mil naves a cada biênio, com mais de 200 pessoas em cada. Nesse ritmo, não só o preço da viagem cairia ainda mais, como começaria a chegar gente suficiente em Marte para estruturar uma sociedade auto-suficiente. Para Elon Musk, a partir da primeira aterrissagem humana, só demoraria de 40 a 100 anos para criarmos a primeira civilização marciana.

Os poréns

Musk pinta um quadro lindo e inspirador, mas que não resolve um problemão: o que as pessoas vão fazer quando chegarem lá?

Um dos principais problemas é que Marte tem uma atmosfera pouco densa. Aquecer o planeta provavelmente solucionaria o problema, tornando-a parecida com a da Terra. Com isso daria até para plantar batatas (e outras coisas), como no filme Perdido em Marte. É exatamente o que Musk propõe – mas usando explosões quase constantes de bombas nucleares, uma estratégia que ninguém sabe se funcionaria na prática.

De acordo com seu plano, Musk esclareceu que sua prioridade no momento é transportar as pessoas – sem ter como chegar em Marte, nem adiantaria discutir os riscos de viver lá. Mas mesmo o Homem de Ferro da vida real admite que os primeiros tripulantes a pisarem no Planeta Vermelho precisam estar preparados para poucas chances de sobrevivência.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.