GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Submarinos nucleares britânicos ainda usam Windows XP

Sistema operacional não recebe mais suporte da Microsoft e corre risco de sofrer ataque de hackers

Cada submarino HMS Vanguard da Marinha Real Britânica carrega até duas tripulações, outra porção de capitães e mais uma dúzia de marinheiros. O mais importante: essas máquinas foram criadas para disparar mísseis e transportar armas nucleares.

Parece suficientemente amedrontador, não? Mas os Vanguard possuem um pequeno detalhe: todos são operados pelo finado Windows XP. Isso significa que toda a artilharia nuclear, meios de comunicação e locomoção são operados por um sistema operacional vulnerável a ataques.

LEIA: O submarino nazista no Brasil

A decisão para manter o XP rodando nos computadores dos submarinos foi o bolso. Segundo a matéria publicada pelo The Guardian, manter o Windows XP foi a opção mais barata entre todas as alternativas (embora os gastos para a mudança não terem sido especificados). Mesmo com a economia em custos, a decisão torna o arsenal propenso a ataques de malwares e até a espionagem – e a preocupação não é à toa.

A Microsoft encerrou o suporte ao Windows XP em 2014, e desde 2008 não vende o sistema operacional ao público. No comunicado realizado à época, a empresa de Bill Gates afirmou que não poderia mais garantir proteção contra vírus, correções de bugs e atualizações para o programa.

Além da Marinha, serviços públicos, como a polícia e o rede de saúde pública da Grã-Bretanha também operam com o sistema operacional desatualizado, já que o governo de lá não quis arcar com 5 milhões de libras, valor cobrado pela Microsoft, para garantir manutenção extra dos softwares.

No ano passado, a Marinha dos Estados Unidos desembolsou nove milhões de dólares para que a Microsoft continuasse a prestar assistência técnica em Windows XP instalados em navios militares. O prazo para a marinha norte-americana se atualizar vai até julho desse ano, ou o governo terá que bancar 31 milhões de dólares adicionais para continuar como está. Já a marinha britânica não apresentou nenhum plano para aposentar a versão do Windows lançada em 2001. Sim, já faz 15 anos.