GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Medicina milagrosa

A informática e as neurociências se fundem para criar o homem bioartificial. Com chips e circuitos elétricos no corpo, será possível eliminar males até agora incuráveis.

Igor Fuser

Os cegos enxergam, os surdos escutam, os paralíticos andam. Calma, você não se enganou de revista. Esta é mesmo a SUPER. Não estamos falando dos milagres atribuídos a Jesus Cristo, mas de um dos campos de pesquisa mais promissores da Ciência – as próteses eletrônicas.

A implantação de equipamentos no organismo começou em 1957, com o marcapasso, aparelhinho que se vale de impulsos elétricos para regular o batimento do coração. Quarenta anos depois, a convergência entre a informática e as neurociências já permite vislumbrar um objetivo muito mais ambicioso. Pesquisadores das principais universidades do mundo estão perto de uma solução que tornará realidade a fantasia de criar o homem biônico. A meta é descobrir um elo entre os circuitos eletrônicos dos microprocessadores e os circuitos orgânicos que compõem o sistema nervoso.

A partir daí, será possível instalar no organismo humano miniaturas de computador que funcionarão como peças de reposição. Chips enviarão ao cérebro as informações para que um cego volte a enxergar. No sentido oposto, transmitirão às pernas de um paralítico os comandos que regem os movimentos.

O sucesso em próteses mais simples, como os aparelhos de surdez de última geração, mostram que a idéia é viável. As experiências prosseguem em ritmo acelerado, com a promessa de novidades milagrosas para a virada do século. Confira nas próximas páginas.

Eu sou você amanhã

Graças aos avanços da informática, os órgãos e tecidos bioartificiais já deixaram de ser um sonho. Veja, abaixo, algumas das novidades que a Medicina promete para você nos próximos anos.

A cura da cegueira

Microcâmera converte as imagens em raios laser, enviados a chips instalados na retina. De lá, as imagens vão para o nervo óptico e, através dele, ao cérebro (veja a página ao lado).

Fígado de emergência

O órgão já é substituído por uma máquina (enorme) em casos de hepatite superaguda. O que se procura é uma versão portátil do aparelho.

Sangue artificial

Com a hemoglobina artificial, as transfusões ficam 100% seguras e acaba-se o problema da falta de doadores (veja página 26).

Chips na cuca

Implantes de células artificiais no cérebro eliminarão muitas doenças e ampliarão o tempo de vida.

Próteses ultrasensíveis

Novos materiais, como o plástico biológico, permitem a fabricação de aparelhos ortopédicos sofisticados, que chegam a reproduzir sensações táteis.

Ouvindo tudo

Em certos casos, já é possível voltar a ouvir, graças a um transmissor que estimula o nervo auditivo por meio de sinais magnéticos.

O fim das cáries

Pesquisadores buscam uma resina para envolver as partes mais vulneráveis dos dentes, protegendo-os do ataque das bactérias.

Bate, coração

Uma prótese substitui o coração doente e reproduz todas as funções do músculo normal. Com autonomia total, o paciente pode sair andando por aí (veja página 24).

Pele cultivada

Em laboratório, pode-se produzir 1 metro quadrado de pele para cada 2 centímetros quadrados do tecido natural (veja página 24).

No lugar dos olhos, câmera, laser e chips

No filme Até o Fim do Mundo, do alemão Wim Wenders, o protagonista procura incansavelmente um meio de fazer com que sua mulher, cega, consiga enxergar o mundo, com suas formas e cores. Ele inventa uma câmera especial que envia direto para o cérebro, através de eletrodos, imagens de vídeo previamente gravadas. E o aparelho funciona.

Em 1991, quando o filme foi lançado, o tema estava restrito ao universo da ficção científica. Seis anos depois, pesquisadores de vários países travam uma corrida para inventar a prótese ocular que devolverá a visão aos cegos. Uma microcâmera de vídeo, parecida com a imaginada por Wenders, já foi desenvolvida nos Estados Unidos, num projeto conjunto das universidades de Harvard e Johns Hopkins. Com uma vantagem: ela transmite em tempo real, sem necessidade de gravação.

Resta o desafio de levar as imagens ao cérebro. O projeto mais promissor, até agora, é o do alemão Rolf Eckmiller, titular da cadeira de neuroinformática da Universidade de Bonn. Ele inventou uma retina artificial, com eletrodos ligados ao nervo óptico (veja infográfico). Esses eletrodos captam imagens transmitidas por uma microcâmera, com raios laser, e convertidas em impulsos elétricos que estimulam o nervo óptico. A imagem será semelhante à que você tem quando examina o negativo de uma foto. A retina biônica já está sendo testada em camundongos, com bons resultados.

A retina artificial

O projeto do cientista alemão Rolf Eckmiller visa devolver a visão nos casos de cegueira em conseqüência da morte das células da retina.

1. Uma microcâmera, instalada nos óculos, capta as imagens.

2. Emissores de raios laser, atrás das lentes, enviam as imagens para um chip implantado na retina inutilizada.

3. Eletrodos embutidos no chip convertem as informações recebidas via laser em impulsos elétricos, que estimulam o nervo óptico, na parte de trás do olho.

4. O nervo óptico transmite esses impulsos ao cérebro, onde a imagem é reconstituída.

O coração portátil não desafina

O que os médicos chamam hoje de coração artificial nada tem de parecido com o músculo de verdade. Trata-se de uma máquina, situada fora do corpo, que reproduz as funções cardíacas de pacientes à espera de um transplante. Mais de vinte projetos diferentes buscam superar essa limitação. O modelo de coração artificial mais conhecido é o Jarvik, inventado nos Estados Unidos. O Jarvik já foi aplicado em centenas de pacientes, mas mantém o problema da falta de autonomia. O doente fica preso a uma cama de hospital. O primeiro aparelho portátil, o Novocor, também americano, é um progresso, mas só substitui um dos vetrículos. Além disso, depende de uma bateria instalada do lado de fora, num cinturão No ano passado, o cardiologista francês Alain Carpentier, do Hospital Broussais, em Paris, apresentou o primeiro protótipo de um coração artificial que o paciente pode instalar no peito e sair andando por aí. “Os testes em animais já estão concluídos e deram bons resultados”, anima-se o professor Carpentier. “Agora estamos fabricando um modelo para ser testado em pacientes humanos.”

Adeus, cadeira de rodas

Na maior parte dos casos, o motivo que condena os paraplégicos à cadeira de rodas é um rompimento da medula espinhal, em conseqüência de um acidente. Os nervos que levam as ordens do cérebro às pernas ficam interrompidos, provocando a paralisia. Isso não significa que estejam mortos, mas apenas inertes. Se alguém descobrir uma maneira de reativar esses nervos, os músculos poderão recuperar seus movimentos.

Para enfrentar o desafio, cientistas de vários países europeus formaram uma equipe de pesquisa, sob o comando do francês Pierre Rabischong, professor na Faculdade de Medicina de Montpellier. O projeto tem como nome a expressão bíblica “levanta-te e anda”. É uma referência à ordem de Jesus ao cadáver de Lázaro, que obedeceu.

A equipe criou um aparelho portátil que substitui o trabalho do cérebro, acionando os nervos das pernas por meio de impulsos elétricos (veja infográfico ao lado). Em fase de testes, o aparelho não visa restabelecer a marcha normal. O paraplégico ainda precisará de bengalas para se equilibrar. “O que nós podemos fazer”, explica Rabischong, “é revitalizar os músculos inativos, por meio de estímulos elétricos, para que o paciente possa caminhar da maneira mais elegante possível.” Para um paciente em cadeira de rodas, isso já será um milagre e tanto.

Levanta-te e anda!

Graças à eletrônica, os paraplégicos voltarão a caminhar.

O aparelho para reanimar as pernas dos paraplégicos, inventado pela equipe do cientista francês Pierre Rabischong, prevê os movimentos de senta-levanta, subir degraus e a marcha em diversas velocidades. Veja como ele funciona.

1. O paciente controla os movimentos das pernas por meio de botões no suporte da bengala. Esses botões ativam um transmissor de rádio.

2. Um aparelho eletrônico de 4 cm de diâmetro, implantado debaixo da pele, à altura da barriga, capta os sinais enviados pelo transmissor. Dentro dele existe um microcomputador que traduz os sinais em impulsos elétricos.

3. Esses impulsos chegam aos nervos por meio de eletrodos acoplados aos músculos e às fibras nervosas. Estimulados, os músculos voltam a funcionar.

Sangue à vontade, sem riscos

Ele é incolor e absolutamente fluido. Olhando, parece água. Mas é sangue. Ou melhor, um substituto químico do sangue chamado Oxygent. Os laboratórios da empresa americana Alliance Pharmaceutical, em San Diego, Califórnia, conseguiram produzir aquilo com que sonham, há décadas, os cirurgiões do mundo inteiro: um líquido inofensivo e durável, capaz de captar o oxigênio nos pulmões e distribuí-lo por todos os órgãos do corpo, através dos vasos capilares. Igualzinho ao sangue de verdade. Sem depender da boa vontade dos doadores. Sem risco de infecção.

“Esse produto pode substituir perfeitamente o sangue nas transfusões e nas hemorragias”, garante o biólogo Peter Keipert, chefe da equipe de pesquisa. O Oxygent é o membro caçula da família dos perfluorocarbonos, substâncias artificiais compostas por cadeias de átomos de carbono e de flúor. Inertes quimicamente, os perfluorocarbonos são um veículo excelente para o transporte de gases. Daí a sua utilidade para a produção do sangue artificial. Os ingredientes são três: perfluobromo (um perfluorocarbono que pode ser facilmente eliminado em forma gasosa, pelos pulmões), fosfolipídios (substância tensoativa que potencializa o efeito da mistura) e água (veja infográfico abaixo).

O Oxygent, que entrará no mercado até o ano 2000, chega mesmo a ter algumas vantagens em relação ao sangue de verdade. O produto se conserva mais de quatro meses à temperatura de 5 graus, contra os quarenta dias do plasma usado hoje nas transfusões. Mas não é um substituto definitivo do sangue, já que se limita a repor uma de suas funções, o transporte do oxigênio. Seu uso é recomendado por períodos limitados, durante o tempo de que o organismo necessita para reconstituir o sangue natural.

Flúor nas artérias

Conheça o sangue artificial que chegará ao mercado até o ano 2000.

1. O produto é uma emulsão composta por perfluobromo (uma mistura de flúor, carbono e bromo), água e fosfolipídios.

2. A mistura aparece na forma de microgotas cuja função é levar o oxigênio do pulmão aos vasos capilares.

3. A emulsão com as microgotas entra na circulação sanguínea por meio de um cateter, na forma de soro.

4. Mistura-se com os glóbulos vermelhos, compensando a falta da hemoglobina nas hemorragias e nas transfusões.

Respire fundo

Esqueça essa chatice de injeção. Ela fura, dói e ainda traz riscos de contaminação, quando aplicada sem os devidos cuidados. Agulhada é coisa do passado. A novidade são os remédios que podem ser inalados. “Esse é o futuro”, disse W. Leigh Thompson, consultor que se aposentou recentemente no Laboratório Eli Lilly. Já estão em fase de testes, em diversos laboratórios nos Estados Unidos, as fórmulas gasosas da insulina, da morfina e medicamentos para a osteoporose, uma doença nos ossos.

Um lance de pele

Já existem alguns tipos de pele artificial em uso atualmente e vários outros em fase de pesquisas. Eles se destinam, quase sempre, a vítimas de queimaduras. Veja como se consegue, a partir de um pedaço de pele sadia, reconstruir o tecido usando como molde uma camada de colágeno.

7 dias

A pele está se regenerando. Após uma semana, os vasos sangüíneos começam a se espalhar pelo molde de colágeno.

Remoção da membrana de silicone

Em duas semanas, os vasos sanguíneos estão plenamente formados. A membrana que protegia o colágeno já pode ser retirada.

Pedaços de pele em formação

A pele da vítima começa a renascer na superfície do colágeno, na forma de uma trama ainda irregular, como uma colcha de retalhos.

Pele regenerada.

A pele, depois que nasce, torna-se permanente.