Por que o trevo de quatro folhas é um símbolo de boa sorte? - Superinteressante

Amuleto Vegetal

Por que o trevo de quatro folhas é um símbolo de boa sorte?

Além disso, o número quatro é considerado mágico em muitas culturas, por vários motivos: são quatro os pontos cardeais, as estações do ano, os elementos alquímicos (terra, ar, fogo e água) e as fases da Lua.

por Cecília Borges

Tudo indica que é por causa da sua raridade na natureza. Presente na maioria das regiões temperadas e subtropicais do planeta, o trevo – como já diz seu nome científico Trifolium repens – normalmente produz apenas três folhas. Além disso, o número quatro é considerado mágico em muitas culturas, por vários motivos: são quatro os pontos cardeais, as estações do ano, os elementos alquímicos (terra, ar, fogo e água) e as fases da Lua. Quatro são as letras do nome de Deus (YHVH, Javé) entre os hebreus; número também dos evangelistas e dos braços da cruz, entre os cristãos. “Por fim, a soma dos quatro primeiros números resulta em dez, símbolo de completude sagrado para os pitagóricos e, claro, base do sistema decimal”, afirma o filósofo Mário Sérgio Cortella, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), especialista em religiões. Acredita-se que o uso do trevo de quatro folhas como talismã tenha se originado com os druidas, sacerdotes dos celtas, povo que ocupou a Europa no primeiro milênio a.C.

publicidade

anuncie

Super 343 - Maomé - A face oculta do criador do Islã Ele fundou uma nação baseada em direitos trabalhistas e livre mercado. Tinha uma esposa que ganhava mais que ele e emancipou as mulheres. Conheça o verdadeiro homem por trás do Islamismo. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 343
fevereiro/2015

Maomé - A face oculta do criador do Islã
Ele fundou uma nação baseada em direitos trabalhistas e livre mercado. Tinha uma esposa que ganhava mais que ele e emancipou as mulheres. Conheça o verdadeiro homem por trás do Islamismo.

- sumário da edição 343
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Cultura

publicidade

anuncie