GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Forma mais comum de cozinhar arroz pode trazer risco à sua saúde

Você ferve o arroz e espera a água evaporar? Segundo um cientista, isso pode envenenar a sua comida

A maneira que você cozinha arroz pode colocar a sua vida – e as das pessoas que comerem o alimento – em risco. Andy Meharg, professor da Universidade de Queens, no Reino Unido, revelou durante um programa da BBC que o arroz pode liberar arsênico se você utilizar um método bem comum de cozimento.

A técnica tradicional consiste em usar a proporção de duas partes de água para uma de arroz e ferver o alimento até que todo o líquido evapore. Após realizar esse processo, Meharg descobriu vestígios de arsênico no arroz, um elemento químico associado a uma série de doenças, como câncer e diabetes.

O arsênico é encontrado naturalmente no solo. Por isso, pequenas quantidades desse produto químico podem infectar o alimento. Geralmente, os níveis tóxicos são tão baixos que não causam preocupação às autoridades.

No caso do arroz, no entanto, a história é diferente. Isso porque, ele é cultivado em plantações inundadas e esse método faz com que o arsênico do solo entre com mais facilidade nos grãos. De acordo com a reportagem da BBC, o arroz tem cerca de 10 a 20 vezes mais arsênico do que outras culturas de cereais.

Veja também

“A única coisa que posso comparar (com o ato de comer arroz) é fumar”, disse Meharg. “Se você fuma um ou dois cigarros por dia, seus riscos serão muito menores do que os riscos de uma pessoa que fuma 30 ou 40 cigarros diariamente. Depende da dose, quando mais você comer, maior é o risco.”

O que preocupa o professor não é a quantidade de arroz que um adulto come, mas quantas porções do grão que crianças ou bebês ingerem. “Sabemos que os baixos níveis de arsênico podem impactar o desenvolvimento imunológico, o crescimento e o desenvolvimento do QI.”

Em 2014, a agência que regula medicamentos e alimentos nos EUA, a FDA, apresentou uma pesquisa que revelou que os níveis de arsênico em mais de 1.300 amostras de arroz não oferecem risco imediato ou no curto prazo para a saúde. Contudo, o órgão disse que continuaria a investigar se o consumo do grão poderia causar doenças crônicas.

Alternativas

Apesar de a pesquisa ser importante para que mais estudos seja feitos sobre o assunto, isso não significa que você precisa parar de comer arroz. No programa, o professor também apresentou duas outras maneiras de cozinhar o alimento para ficar parcialmente livre do arsênico.

A primeira é usar uma proporção de cinco partes de água para uma parte de arroz e ainda tirar o excesso de água. Com isso, os níveis do produto tóxico foram quase reduzidos pela metade. A segunda é deixar o arroz de molho durante a noite e depois drenar a água. Assim, o grau de toxina é reduzido em 80%.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Exame.com

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alex Ferreira

    Não tenho total conhecimento, mas discordo em partes, por exemplo no Brasil o arroz não é cultivado em áreas inundadas, o que nos livra então da maioria desta substância, e comparar ao uso do cigarro que contem mais de 4 mil substâncias químicas!!!

    Curtir

  2. Vinícius Schwalm

    Não sabe oque tá falando, Plantação de arroz é inundada, aqui e na china

    Curtir

  3. Renato Rodrigues

    Por onde já passei no Brasil, nunca vi plantação de arroz inundada. Se tem, é muito pouco.

    Curtir

  4. Valdir Zaccaron

    Opa, deve ser por isso que todos meus antepassados morrer com apenas idade próxima dos 100 anos. todos consumiam arroz nesse metodo tradicional desde crianças. Então morreriam com 150 anos. Pena. Em tempo: 90% do arroz Brasileiro vem de lavoura irrigadas por inundacao. RS e SC produzem quase 80% do arroz Brasileiro.

    Curtir