Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Ciência Maluca Por Blog As pesquisas mais importantes para você compreender a sua vida - e as mais inusitadas para você entender todo o resto. Por Tiago Jokura

Aranhas curtem sexo oral

Por Tiago Jokura Atualizado em 16 mar 2017, 18h01 - Publicado em 16 mar 2017, 17h55

A aranha-da-casca-de-árvore-de-Darwin é uma recente conhecida da ciência. Batizada assim por ter sido catalogada em 2009 – aniversário de 150 de A Origem das Espécies, de um tal Charles Darwin , essa nativa de Madagascar é impressionante.

Sua teia é o material biológico mais resistente do planeta – mais forte que o kevlar dos coletes à prova de bala – e a mais comprida de que se tem conhecimento na natureza: pode chegar a 25 m de comprimento, inclusive cruzando rios, de uma margem à outra. Tamanha proeza pode enganar nossas expectativas em relação ao porte do exótico animal: as fêmeas das “cascudas” medem mísero 1,5 cm e pesam meio grama. Os machos, são ainda menores, pesando 10 vezes menos que as parceiras.

Mas, como tamanho não é documento entre as aranhas, o prazer que eles são capazes de dar às fêmeas é proporcional às dimensões da resistente e prolongada teia que compartilham. É o que dizem pesquisadores da Academia de Ciências e Artes da Eslovênia, que observaram o comportamento sexual da espécie.

Os eslovenos descobriram que os machos são especialistas em sexo oral – modalidade pouco comum fora do clube dos mamíferos. E os diminutos cascudos vão muito além das preliminares: eles salivam na genitália feminina antes, durante e depois do coito propriamente dito.

As razões para esse tipo de comportamento ainda estão sendo investigadas. O mais provável é que sirva para o macho demonstrar suas qualidades como reprodutor ou para melar neutralizar eventuais espermas de concorrentes. E o fato de a fêmea avantajada não matar o parceiro depois da cópula, como fazem várias outras espécies aracnídeas? Significa…

Post anterior: Fantasias de super-heróis dão poderes de verdade para crianças

Continua após a publicidade
Publicidade