Clique e assine a partir de 8,90/mês
Oráculo Por Blog Pode perguntar que a redação da SUPER responde: oraculo@abril.com.br

Um ímã seria capaz de atrair o ferro em nosso sangue?

Por Bruno Vaiano - 12 ago 2020, 11h37

Não. Na verdade, um ímã repele ligeiramente o sangue em vez de atraí-lo. Isso é porque a mera presença ou ausência de átomos de ferro não é suficiente para saber como uma substância se comporta perto de um ímã.

Vamos revisar a estrutura de um átomo. Ele é formado por três tipos de partículas: prótons e nêutrons em um núcleo, elétrons flutuando em volta desse núcleo.

Os elétrons gostam de organizar em pares. Se um deles fica sem par, ele se sente solitário – e livre para ser atraído por um campo magnético. Átomos e moléculas com elétrons sem namorado são paramagnéticos e são atraídos levemente por ímãs. Já os átomos e moléculas em que todos os elétrons têm namorado são diamagnéticos e são repelidos de leve por ímãs.

As moléculas que contém ferro no sangue são as hemoglobinas, responsáveis por transportar o oxigênio que você respira. E no estado oxigenado, a hemoglobina tem todos os elétrons pareados. Nada atraente. 

As hemoglobinas que não estão carregando oxigênio são paramagnéticas (ou seja, tem alguns elétrons livres e podem ser ligeiramente atraídas). Mas mesmo no sangue venoso – que já forneceu o gás vital aos órgãos e agora está voltando aos pulmões para reabastecer – a prevalência de hemoglobinas oxigenadas ainda é superior a 50%. No balanço final, o diamagnetismo impera.

O vídeo abaixo explora o fenômeno na prática – e mostra o sangue sendo repelido. Mate a curiosidade.

Pergunta de @felipesinoble, via Instagram.

 

Continua após a publicidade
Publicidade