GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Dinossauros pescoçudos se originaram no Brasil

Espécie mais antiga de sauropodomorfo (dino com pescoço longo) foi encontrada no Rio Grande do Sul

 (Rodrigo Temp Müller / Biology Letters/Divulgação)

Vários dinossauros tupiniquins já foram descobertos. O guia completo dos dinossauros do Brasil, de Luiz Eduardo Anelli, mostra 23 espécies de dinos identificadas até 2015. O Atlas Virtual da Pré-História (AVPH) relaciona 25. E esses números acabaram de aumentar: cientistas descobriram que o dinossauro de pescoço longo mais antigo do mundo é brasileiro.

E bota antigo nisso: o Macrocollum itaquii, nome dado à nova espécie, data de 225 milhões de anos atrás. Para você ter ideia, o período Triássico, quando surgiram os primeiros dinossauros, começou há 250 milhões de anos. Outras espécies encontradas no país existiram entre 120 e 65 milhões de anos atrás.

Mas não é só a idade que impressiona: essa é a primeira vez que se encontra esqueletos de dinossauros completos no Brasil. A nova espécie foi descrita a partir de três esqueletos fossilizados achados em Agudo, cidade do interior do Rio Grande do Sul, em 2013. Mas só agora o resultado das investigações foi publicado, no periódico britânico Biology Letters. Participaram da pesquisa o paleontólogo Rodrigo Temp Müller e o professor Sérgio Dias da Silva, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e o professor Max Cardoso Langer, da Universidade de São Paulo (USP).

Segundo os pesquisadores, O Macrocollum itaquii tinha cerca de 3,5 metros de comprimento — sendo 1 metro só de pescoço. Ele é um sauropodomorfo, grupo caracterizado pelo longo pescoço, postura quadrúpede e herbivoria. Seu tamanho pode parecer pequeno, comparando com os brontossauros (na verdade, apatosaurus) que chegavam a 30 metros de comprimento. Mas há uma razão: acredita-se que a nova espécie, por ser muito antiga, faz parte das primeiras espécies de dinossauros com o pescoço longo. E os cientistas afirmam que ele é o mais antigo entre todos já descobertos.

Isso desencadeia várias conclusões: por ser herbívoro, o pescoço longo pode ter permitido que esses animais alcançassem a vegetação mais alta. Para os pesquisadores, essa capacidade foi uma das causas da sobrevivência dos sauropodomorfos durante a Era Mesozoica. E isso evoluiu: durante um intervalo de oito milhões de anos, a dieta herbívora foi aprimorada e os sauropodomorfos cresceram exponencialmente, com o pescoço se tornando, proporcionalmente, até duas vezes mais longo.

Ser pescoçudo, aliás, foi o que originou o nome científico do animal: Macrocollum é uma junção de “makrôs”, que do grego significa “grande” e “collum”, que do latim é “pescoço”. Já itaquii é um homenagem: José Jerundino Machado Itaqui foi um dos principais responsáveis pela criação do Centro de Apoio a Pesquisa Paleontológica da Quarta Colônia (CAPPA/UFSM), lugar onde os fósseis ficarão guardados.