Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Gatos gostam mais de humanos do que de comida

O estudo afirma que os animais não são blasé, a gente é que não sabe estimulá-los

Por Felipe Germano Atualizado em 20 dez 2018, 14h43 - Publicado em 27 mar 2017, 20h21

“Eu gosto de cachorro, porque gato é muito blasé”. Essa é a frase que, muito provavelmente, todo dono de gato deste planeta já ouviu. Mas agora, amantes de gatos, vocês têm uma nova aliada na luta para provar que, na verdade, esses bichinhos são muito amáveis: a velha companheira da SUPER, a ciência.

Um novo estudo da Universidade de Oregon está cravando: os gatos não só gostam dos humanos como, pasmem, gostam mais de humanos do que de comida. Para provar isso, os cientistas americanos resolveram pegar 50 animais (vindos tanto de abrigos como de casas) e os isolaram de tudo.

Isso significa que os felinos ficaram, por algumas horas, separados de qualquer tipo de estímulo, visual, olfativo, gustativo ou auditivo. Depois disso, os animais eram colocados em uma sala dividida em quatro quadrantes, cada um com uma coisa para chamar a atenção do animal.

Em um canto havia um brinquedo do bichano, em outra um lenço com um cheiro que o bichinho gosta, em um terceiro lado havia comida, e, em outra ponta, um humano sentado.

Continua após a publicidade

Os resultados mostraram que em 50% dos casos os animais preferiram se aproximar da pessoa, enquanto só 37% preferiram o alimento. O estudo ainda apontou que não houve diferenças significativas entre os resultados dos gatos domésticos e dos gatos de abrigo.

cat-gifs.com/Reprodução

O trabalham também deu dicas das preferências dos felinos. Os animais preferiram peixe a carne; e brinquedos que se mexem sozinhos a objetos estáticos.

A ideia é que a pesquisa ajude a entender melhor o animal, para que seja possível avançar nos métodos de adestramentos de gatos e até para criar ambientes mais amigáveis a eles. “A crença de que gatos não são muito sociáveis ou possíveis de treinar é bem comum. Mas essa falta de conexão talvez seja, em parte, pela falta de conhecimento sobre o tipo de estímulo que esses animais preferem”, afirmam os pesquisadores na conclusão do estudo.

A lição que fica é que não dá pra saber se o gato de Schrödinger estava vivo ou morto, mas dá pra chutar que muito provavelmente ele estava a fim de um carinho.

4gifs/Reprodução
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)