Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Hortaliças cresceram em solo semelhante ao de asteroides

Alface, rabanetes e pimentas vingaram. Experimento investiga a possibilidade de uma futura agricultura espacial.

Por Luisa Costa
1 ago 2022, 17h23

E se astronautas fizessem pit stop em asteroides com plantações de hortaliças? Parece ficção científica, mas alguns pesquisadores trabalham para que esse cenário se torne realidade no futuro.

Em um experimento, alface, rabanete e pimentas cresceram em misturas de turfa e um material que imita fragmentos de rocha e solo de um tipo de asteroide que contém fósforo e potássio em sua superfície – nutrientes que poderiam favorecer o desenvolvimento das plantas.

Esse é um dos estudos que nascem de um problema sobre a dieta dos astronautas. Ela geralmente consiste em alimentos desidratados e de preparação rápida, porque não é possível levar alimentos frescos (que demandam conservação adequada, com refrigeradores) para o espaço.

Isso não só significa refeições pouco interessantes e nutritivas, mas também dificulta missões de longo prazo – porque, claro, passar muito tempo no espaço demandaria carregar muitos suprimentos. Então a agricultura espacial pode ser o próximo passo em direção à sustentabilidade no espaço, como escrevem os pesquisadores do novo estudo, publicado no Planetary Science Journal.

Como foi o estudo

O experimento aconteceu na Universidade de Dakota do Norte, nos Estados Unidos. O pesquisador Steven Russell escolheu vegetais já cultivados a bordo da Estação Espacial Internacional e comparou como as plantas cresciam em diferentes misturas de solo falso de asteroide e turfa, com simuladores de microgravidade.

Russell e seus colegas perceberam que, em misturas com diferentes concentrações de turfa, as plantas cresceram. Ela impediria uma compactação excessiva do solo e melhoraria a retenção de água. Por outro lado, os vegetais não vingaram em vasos que continham apenas o solo de asteroide.

“Mais investigações são necessárias para determinar estratégias de mitigação para tornar o regolito do asteroide um solo mais propício”, escrevem os pesquisadores. 

Continua após a publicidade

Fieber-Beyer, cientista da universidade que participou do estudo, pretende cultivar sementes de ervilhaca no solo falso de asteroide, deixar as plantas se decomporem e depois misturar a matéria orgânica. 

Ela espera que isso impeça que o solo se compacte além da conta para próximos cultivos experimentais. Além disso, as sementes são mais leves do que a turfa e poderiam ser transportadas mais facilmente para o espaço.

“Se nosso objetivo é estabelecer uma presença de longo prazo no espaço, não podemos fazer isso a menos que tenhamos comida”, disse a cientista em comunicado. Estabelecendo terrários em asteroides, robôs poderiam assumir a manutenção das “fazendas autossustentáveis”.

Parece uma ideia maluca, mas a mineração espacial e o estabelecimento de postos de combustível no espaço – que têm experimentos e projetos em andamento – também pareciam. Nem o céu é o limite.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.