GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Na Matemática e no humor o absurdo é o mesmo

Artigo de Luiz Barco em que faz comentários sobre o estudo da matemática.

Luiz Barco

Tenho defendido nesta seção a idéia de que fazer Matemática é algo que transcende os limites dos cursos formais. Muitos daqueles que se dizem refratários às matemáticas acabam expondo com muita clareza e logicidade suas idéias; extasiam-se diante da beleza das artes, entendem relativamente bem os argumentos e os raciocínios claros, têm aguçado senso de humor, são, enfim, portadores do espírito matemático. Não são poucos os livros e artigos, hoje, que, sem tratar especificamente de questões da Matemática, são, sem dúvida, sobre esse tema.

Vez por outra surge um comentário de que interpretar bem ou ler bem é uma é uma atividade de prontidão matemática ou que tocar uma peça de Bach é dedilhar sobre logaritmos. Mas, rara mesmo é a interpretação matemática do humor. Por isso, foi com algum espanto que vi no livro Numeracy (uma espécie de dicionário que contém pequenos comentários sobre tópicos da Matemática), de John Allen Paulos, um exemplo de raciocínio lógico-matemático em cima de um diálogo entre dois sisudos pastores: “Eu nunca dormi com minha esposa antes de nos casarmos”, disse um deles e, arrematando, perguntou ao outro: “E você?” “Não tenho certeza”, respondeu o colega e completou: “Qual era mesmo o nome de solteira dela?”

Estava em meio a essa leitura, quando começou na televisão o programa Jô Soares Onze e meia. Estimulado pelo que havia lido, prestei muita atenção ao extraordinário humorista e, sem muito esforço, percebi na lógica de suas ponderações, na agilidade de seu raciocínio, na construção das relações que arquitetou, maior prontidão matemática do que aquela que se observa em muitos cursos ou aulas rotulados de Matemática. O entendimento da lógica correta, ou do modelo, ou da regra, ou mesmo da estrutura são essenciais para se perceber a incongruência de uma história ou de uma piada que ouvimos. Igualmente, é essencial dar toda a atenção à elegância, à sutileza e à força da prova matemática para poder apreciar, de fato, o que é realmente essa ciência. Embora os usos dos entendimentos e apreciações sejam completamente diferentes na Matemática e no humor, eles estão presentes em ambos.

Os matemáticos, por exemplo, utilizam como um de seus ardis a técnica da redução ao absurdo, para provar proposições. Para provar P, é suficiente admitir a negação de P e daí chegar a uma contradição ou a um absurdo. Os redatores de humor usam a mesma técnica quando iniciam uma história com uma premissa estranha – “O que poderia acontecer se…” – e então desenvolvem seu enredo pelo resultado de conseqüências absurdas.
As contradições são muito freqüentes em Matemática e têm sido utilizadas tanto para demonstrar proposições sérias quanto para se construírem falácias matemáticas, ou seja, asserções surpreendentes, cheias de sutilezas que escondem erros. Imagine que um amante dos números declare que todos eles (os números) são interessantes. Você talvez concorde que alguns números têm propriedade que os tornam interessantes, mas que existem outros que nada apresentam para serem assim classificados. Logo, a família dos números poderia conter duas classes: a dos interessantes e a dos desinteressantes.

O matemático dirá que na classe dos desinteressantes há um número que é o menor de todos. Mas, você há de concordar que ser o menor faz dele, justamente, um número interessante e portanto deveria mudar de classe. Ainda na classe desinteressante há um outro número que é o menor da família e pela mesma razão deveria mudar de lugar. E se assim continuarmos, não haverá número desinteressante. A meu ver, a postura e o prazer que os matemáticos encontram em suas pesquisas não são diferentes daquelas dos comediantes. Pode-se até dizer que o sorriso que se exibe quando acontece algo de inesperado no encaminhamento de uma bela prova matemática é uma versão refinada de uma bela risada provocada pelo inesperado desfecho de uma boa piada.

Luiz Barco é professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.