GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Organismo virtual

Cientistas criam coração que cabe na tela de um computador.

Peter Hunter, professor da Universidade de Auckland, Nova Zelândia, carrega um coração em seu laptop. O órgão virtual bate como um coração humano e dispara ao receber estímulos elétricos. Mas pode ser ligado e desligado à vontade. O coração de Hunter é mais que uma animação eletrônica – trata-se de uma representação fiel que simula o funcionamento do órgão de verdade. O neozelandês faz parte de um consórcio de bioengenheiros, fisiologistas e cientistas da computação que uniram informações anatômicas, mecânicas e eletrofisiológicas do coração em um modelo tridimensional interativo. Coube a eles uma tarefa monumental: digitalizados, os resultados da análise de milhares de lâminas finíssimas de um coração deram forma à maquete. Também foram incluídas as equações matemáticas que representam as propriedades físicas dos tecidos – definindo as reações do coração virtual aos mais variados estímulos.

O trabalho da equipe de Hunter integra um projeto ainda maior, que pretende criar simulações de todo o organismo humano – na Inglaterra e na França, desenvolve-se um pulmão virtual; nos Estados Unidos, um modelo no sistema vascular. O objetivo é usar esses órgãos em pesquisas de novos medicamentos, substituindo, por exemplo, os testes com animais.