Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Salmão a preço de tilápia

Ele é geneticamente modificado, e por isso cresce na metade do tempo - e seu cultivo já está sendo testado no Brasil.

Por Bruno Garattoni e Eduardo Szklarz Atualizado em 18 fev 2020, 17h03 - Publicado em 21 abr 2019, 17h51

Sushi é moda faz tempo no Brasil, mas continua caro. Pudera: todo o salmão que os brasileiros consomem é importado, principalmente do Chile. Mas isso pode mudar. A empresa americana AquaBounty está testando no País a produção do salmão AquAdvantage (AAS), primeiro animal geneticamente modificado a receber aprovação da FDA (agência dos EUA que regula alimentos e remédios).

“Nosso salmão cresce na metade do tempo. Atinge o peso de venda (4 a 5 quilos) em 16 a 20 meses, contra os 30-32 meses do salmão convencional. E come 25% menos ração”, diz Ron Stotish, CEO da AquaBounty. Para conseguir essa proeza, cientistas da Memorial University de Newfoundland (Canadá) introduziram no salmão do Atlântico o gene do hormônio do crescimento de outra espécie, o salmão-rei. O resultado foi o salmão transgênico. A AquaBounty o submeteu à FDA em 1993, mas a aprovação só veio em 2015.

Enquanto esperava, a empresa usou a engenharia genética para tornar a população de seus cardumes exclusivamente feminina e estéril. Os machos, cujo papel é fertilizar os ovos colocados pelas fêmeas, são cultivados em pequenas quantidades – e em tanques em terra, não em gaiolas no mar. São medidas de segurança para evitar que a nova espécie escape para o oceano, onde poderia causar desequilíbrios ambientais.

A água dos tanques é constantemente filtrada e o ambiente é controlado, o que reduz ou elimina o uso de antibióticos e hormônios. É a chamada Aquicultura em Sistema de Recirculação (RAS). As fezes são coletadas e transformadas em fertilizante – uma vantagem em relação à criação convencional, em que o cocô do salmão é liberado diretamente no mar.
Como é mais forte e cresce rápido, o salmão transgênico pode ser criado praticamente em qualquer lugar, inclusive nos trópicos. “Estamos testando a produção no Brasil, cuja demanda tem crescido”, diz Stotish, sem revelar o local da experiência. Se o projeto for adiante, teremos salmão transgênico nacional – e mais barato.

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
Salmão a preço de tilápia
Ele é geneticamente modificado, e por isso cresce na metade do tempo - e seu cultivo já está sendo testado no Brasil.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade